sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Polícia emite apelo para identificar kamikaze que se fez explodir em França

A polícia francesa difundiu esta terça-feira à tarde a foto de um dos kamikaze que se fizeram explodir na sexta-feira à noite, junto ao estádio nacional de França, em Paris, e emitiu um apelo a testemunhas para o identificar.

A foto foi divulgada na conta oficial de Twitter da polícia francesa, com o texto: "Este indivíduo é o autor falecido de um dos atentados cometidos a 13 de novembro no Stade de France".

A foto foi divulgada na conta oficial de Twitter da polícia francesa, com o texto: "Este indivíduo é o autor falecido de um dos atentados cometidos a 13 de novembro no Stade de France".

Twitter

Perto do seu cadáver, foi encontrado um passaporte sírio cuja identidade corresponde à de um soldado do regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, morto alguns meses antes -- Ahmad Al-Mohammad, nascido há 25 anos em Idleb -, mas o ministério público mostrou desde o primeiro momento dúvidas quanto à autenticidade do documento.

A foto foi divulgada na conta oficial de Twitter da polícia francesa, com o texto: "Este indivíduo é o autor falecido de um dos atentados cometidos a 13 de novembro no Stade de France".

As impressões digitais constantes do passaporte coincidem, no entanto, com as do suicida, pelo que os investigadores puderam seguir o rasto da sua entrada na Europa: fê-lo a 3 de outubro, juntamente com um grupo de refugiados, pela ilha grega de Leros.

As impressões digitais então recolhidas pelas autoridades helénicas coincidem com as da pessoa que se suicidou junto ao estádio de França.

Depois, foi possível seguir-lhe o rasto pelos Balcãs, até chegar à Áustria, onde as pistas desaparecem.

O facto de a polícia divulgar o seu rosto em busca de informações indica que não considera o documento váliso, o que reduz a quatro o número de suicidas identificados, dos sete que se fizeram explodir na noite da passada sexta-feira na capital francesa.

Trata-se de Samy Amimur e de Ismail Omar Mostefai, que se suicidaram juntamente com outro terrorista depois de realizarem um massacre na sala de espetáculos Bataclan, e de Brahim Abdeslam, que detonou os explosivos que trazia junto ao corpo numa esplanada do 'boulevard' Voltaire, depois de ter presumivelmente disparado armas de fogo em três locais da noite parisiense.

Os investigadores pensam que, com ele, estaria o seu irmão Salah, que terá conseguido fugir para a Bélgica, onde se lhe perdeu o rasto, e que está a ser procurado por toda a Europa.

Diversos 'media' noticiaram hoje que as gravações de vídeo indicam que os irmãos Abdeslam estavam acompanhados de uma terceira pessoa.

Falta igualmente identificar pelo menos um dos suicidas do Bataclã e outro dos do Stade de France.

Lusa

  • Explosão ouvida dentro do Estádio de França
    0:48

    Ataques em Paris

    No canal de vídeos do YouTube estão a ser publicadas imagens do que se está a passar em Paris. O momento em que se ouviu a explosão no estádio, onde decorria um amigável entre as seleções de França e da Alemanha, foi acompanhado por uma televisão alemã.

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.