sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Porta-aviões Charles-de-Gaulle ruma ao Mediterrâneo oriental

O porta-aviões francês Charles-de-Gaulle, com 26 aviões de combate a bordo, zarpou hoje do porto de Toulon (sudeste da França) em direção ao Mediterrâneo oriental, onde vai participar no combate ao grupo Estado Islâmico (EI).

Porta-aviões francês Charles de Gaulle.

Porta-aviões francês Charles de Gaulle.

Christophe Ena / EPA

Após os mortíferos atentados de sexta-feira, o Presidente francês François Hollande "decidiu envolver" o grupo aeronaval "no Mediterrâneo oriental, antes de o reunir, se necessário, no golfo arábico-persa", indicou o almirante René-Jean Crignola, comandante do grupo aeronaval, citado pela agência noticiosa AFP.

O Charles-de-Gaulle e os seus 26 caças -- 18 Rafale e oito Super-Etandard -- deverão chegar a essa região dentro de pouco dias, ao largo da Síria ou do Líbano, e quando se previa cerca de um mês para alcançar o golfo arábico-persa, a sua missão inicial.

"Nos próximos dias, a chegada ao teatro dos caças do grupo aéreo embarcado vai triplicar as atuais capacidades de ação da França", sublinhou Crignola, que comanda a totalidade da Task Force 476, que inclui para além do grupo aeronaval francês, diversos navios estrangeiros, onde se incluem uma fragata britânica e outra belga, o Leopoldo I.

"Em 13 de novembro a França foi atacada no seu território pelo Daech [acrónimo árabe do EI], que cometeu atentados terroristas simultâneos em Paris que provocaram centenas de vítimas. Em 16 de novembro, o Presidente da República anunciou perante o Congresso a intensificação das operações militares contra o Daesh, designadamente na Síria", explicou Crignola.

O porta-aviões francês cumpre a sua terceira missão nesta zona nos últimos dois anos.

Dois dias após os ataques de Paris e Saint-Denis, a aviação francesa bombardeou intensamente, na noite de domingo, a cidade de Raqa, a capital que o EI estabeleceu no norte da Síria.

Num 'raide' com uma amplitude sem precedentes desde os primeiros ataques franceses na Síria no início de setembro, dois caças-bombardeiros lançaram 20 bombas sobre um posto de comando e um centro de treinos do EI.

"Prosseguiremos os ataques durante as próximas semanas (...) Não haverá qualquer abrandamento nem qualquer trégua", disse Hollande perante os deputados.

"A França está em guerra (...) Estamos em guerra contra o terrorismo 'jihadista' que ameaça o mundo inteiro", acrescentou.

Lusa

  • "Tudo o que se está a passar no Sporting tem um único responsável: Bruno de Carvalho"
    7:08
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.