sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Homem-bomba do Stade de France passou pela Grécia em outubro

Um homem-bomba que participou nos atentados de há uma semana em Paris foi controlado a 3 de outubro na Grécia, junto com outro que se misturou com os migrantes que fogem da Síria, revelou hoje a justiça francesa.

Michel Euler

O homem, citado numa declaração do promotor de Paris encarregado da investigação aos atentados, fez-se explodir na sexta-feira no Stade de France, na periferia norte de Paris.

De acordo com o comunicado, o homem-bomba foi "formalmente identificado como um indivíduo cujas impressões digitais correspondem às registadas durante um controlo realizado na Grécia a 3 de outubro".

Entretanto, o governo grego insurgiu-se hoje contra o Ministro do Interior francês, segundo o qual Abdelhamid Abaaoud, um dos alegados cabecilhas dos atentados em Paris, tinha passado recentemente pela Grécia.

Em comunicado, o governo grego afirma que não há evidências dessa presença e "lamenta" que o ministro Bernard Cazeneuve tenha afirmado que um "serviço de inteligência exterior à Europa" informou a França de que Abdelhamid Abaaoud passou por território grego.

"Até o momento, nenhuma autoridade tem a menor evidência que confirme essa afirmação, inteiramente baseada em artigos de jornais de janeiro", contesta a tutela grega, que solicita às autoridades francesas que "façam publicamente a correção apropriada".

Segundo fonte próxima da investigação aos atentados, as informações partiram da Turquia, tendo o ministro francês lamentado não ter recebido "nenhuma informação de países europeus" sobre a passagem de Abaaoud.

A possível ligação entre a Grécia e Abaaoud surgiu em janeiro, no âmbito de uma investigação belga que o visava.

Com base no material fornecido pelos belgas - um nome, uma foto e um número de telemóvel - foram feitas duas detenções em Atenas, mas não foi possível estabelecer relações entre Abaaoud e os detidos, tendo pelo menos um deles sido libertado.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.