sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Encontrado cinto de explosivos nos arredores de Paris

Um cinto, que poderá ser comparado a um cinto de explosivos, foi esta segunda-feira encontrado em Montrouge, nos arredores de Paris, dez dias depois dos ataques, que provocaram a morte a 130 pessoas, disseram fontes policiais.

A operação implicou a formação de um cordão policial naquela área.

A operação implicou a formação de um cordão policial naquela área.

© Eric Gaillard / Reuters

O objeto foi encontrado "ao final da tarde num caixote de lixo", disseram as mesmas fontes.

Segundo fonte ligada à investigação, Salah Abdeslam, irmão de um bombista suicida e suspeito chave dos ataques de dia 13 de novembro, foi localizado por telefone na noite dos atentados próximo de Montrouge, no município vizinho de Châtillon.

Salah Abdeslam, um francês de 26 anos residente na Bélgica, pode ser o único autor direto dos atentados de Paris ainda vivo.

Ativamente procurados pelas autoridades, o homem é suspeito de ter desempenhado, pelo menos, um papel logístico nos assassínios.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.