sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Governo francês quer alterar Constituição para retirar nacionalidade a terroristas

O Governo francês quer introduzir na Constituição a possibilidade de retirada da nacionalidade aos cidadãos condenados por terrorismo que tenham dupla nacionalidade e o prolongamento do estado de emergência até um prazo máximo de seis meses.

© Christian Hartmann / Reuters

Um anteprojeto de revisão da lei fundamental francesa foi remetido esta semana ao Conselho de Estado, avançando com algumas propostas preconizadas pelo Presidente francês, François Hollande, após os atentados terroristas de 13 de novembro, em Paris, que fizeram 130 mortos e centenas de feridos.

A reforma constitucional pretende introduzir a possibilidade de instauração de um "regime civil de crise" com o objetivo de "combater o terrorismo de guerra", segundo disse François Hollande, três dias após os ataques de Paris.

A França conta atualmente com uma lei, muito pouco utilizada, que permite a retirada da nacionalidade a cidadãos com dupla nacionalidade, nascidos franceses, "que se comportem, de facto, como nacionais de um país estrangeiro".

No caso em concreto, o executivo de Paris pretende alargar a possibilidade de retirar a nacionalidade francesa aos cidadãos condenados por terrorismo.

Quanto ao estado de emergência, a lei atual prevê apenas que seja decretado por um período máximo de 12 dias.

A sua prorrogação para lá de 12 dias tem de ser autorizada por uma lei aprovada no parlamento. A lei que autoriza o prolongamento do estado de emergência fixa a sua duração definitiva.

A Constituição francesa, na sua redação atual, prevê o "estado de sítio" mas não o "estado de urgência", que é regulado por uma lei ordinária adotada em 1955 e modificada logo após os ataques terroristas de Paris.

O estado de emergência, decretado após os atentados terroristas de dia 13 em Paris, é um procedimento raríssimo instaurado em 1955, no começo da guerra da independência da Argélia.

Várias vezes adotado durante a guerra da Argélia, o estado de emergência só foi decretado duas vezes depois: em 1985, na Nova Caledónia, no âmbito de confrontos que assolaram o arquipélago, e em 2005, na sequência de conflitos nos subúrbios da capital francesa.

Lusa

  • Inglaterra estreia-se com vitória suada frente à Tunísia

    Mundial 2018 / Tunísia

    A seleção inglesa estreou-se no Mundial 2018 com um triunfo sobre a Tunísia por 2-1, com o golo da vitória a ser apontado já para lá do minuto 90. O jogo foi referente à 1.ª jornada do grupo G. Veja aqui os golos e os lances que marcaram o encontro.

  • O melhor golo do 5.º dia de Mundial

    Desporto

    Numa escolha feita pelos jornalistas de desporto e do site da SIC Notícias, mostramos-lhe o melhor golo deste quinto dia de Mundial. Foi apontado por Dries Mertens, na vitória da Bélgica sobre o Panamá por 3-0.

  • Salto de Cristiano Ronaldo inspira dança afro-beat

    Desporto

    Uma música humorística afro-beat, publicada nas redes sociais e inspirada nos saltos de Cristiano Ronaldo quando marca golos, está a ser replicada na internet com dezenas de coreografias filmadas, muitas das quais em França.

  • Ronaldo no País dos Sovietes: As religiões praticadas na Rússia
    1:55
  • "Estamos a plantar fósforos"
    2:09

    Opinião

    O calor regressou esta segunda-feira em força e no terreno estiveram quase 1300 bombeiros a combater 70 fogos por todo o país. Depois da tragédia de Pedrógão Grande, o Presidente da República diz que a consciência do país mudou mas é preciso fazer mais. Já Miguel Sousa Tavares diz que o país está mais preparado para combater os incêndios do que alguma vez esteve. No entanto, o comentador da SIC diz que já foram plantados mais de "2500 hectares de eucaliptos" desde Pedrógão e que enquanto isso acontecer Portugal vai continuar a arder. 

    Miguel Sousa Tavares

  • Pai de Meghan Markle lamenta ser "nota de rodapé" no casamento real
    2:03
  • Quando as crianças fazem das suas... os pais é que pagam

    Mundo

    Quando as crianças fazem das suas, restam os pais para as castigar ou, em alguns casos, para sofrer as consequências desses atos. Quem o pode dizer é um casal norte-americano, que recebeu uma fatura de 132 mil dólares (cerca de 114 mil euros), depois de o filho ter derrubado uma estátua num centro comunitário.

    SIC