sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Secretário-geral da ONU visita Paris para homenagear vítimas dos atentados

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, foi hoje a Paris para homenagear as vítimas dos atentados de 13 de novembro, deslocando-se à sala de concertos Bataclan e ao café "La Bonne Bière".

© Stephane Mahe / Reuters

"Eu sou parisiense e estou sentado na esplanada de um café", disse em francês Ban Ki-moon, evocando a frase "Eu estou numa esplanada", usada depois dos atentados de Paris.

Ban Ki-moon esteve em silêncio diante do Bataclan antes de ir tomar um café com os responsáveis do "La Bonne Bière", o pequeno restaurante/café em que estavam várias pessoas que foram atingidas a tiro na esplanada por um dos terroristas dos atentados de Paris.

Ban Ki-moon elogiou "Paris, símbolo da resistência" diante dos eleitos pelos bairros afetados e que se encontraram com o responsável das Nações Unidas.

O secretário-geral da ONU estava acompanhado pela autarca de Paris, Anne Hidalgo.

A autarca de Paris afirmou que Ban Ki-moon havia "pedido para vir" aos locais dos atentados.

Nos atentados de Paris, que ocorreram em vários locais da capital francesa, como o Estádio de França, foram mortas 130 pessoas e centenas ficaram feridas.

Antes, o secretário-geral da ONU condenou firmemente o triplo atentado ocorrido no sábado no Chade, realizado pelo grupo extremista Boko Haram, que matou 30 pessoas e deixou dezenas de feridos num mercado de uma ilha do Lago do Chade.

"São atos abomináveis que demonstram uma vez mais a brutalidade do Boko Haram", disse Ban, apelando aos países que sofrem com a ameaça terrorista do movimento radical que se unam de maneira global e integrada para avaliar e responder a este problema.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.