sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Conselho de Segurança da ONU condena "ataque terrorista bárbaro"

O Conselho de Segurança das Nações Unidas condenou hoje o "ataque terrorista bárbaro e cobarde" de quinta-feira em Nice, sul de França, em que morreram pelo menos 84 pessoas.

© ERIC THAYER / Reuters

Numa declaração unânime, os 15 países membros do Conselho de Segurança da ONU expressam ainda "a sua profunda simpatia e condolências" às famílias das vítimas e ao Governo francês.

O Conselho de Segurança reafirma que o terrorismo é uma das mais sérias ameaças à paz e segurança mundiais.

"Qualquer ato de terrorismo é criminoso e injustificado", lê-se na declaração.

Um camião atingiu na quinta-feira à noite uma multidão em Nice que assistia a um fogo-de-artifício para celebrar o dia de França.

O último balanço aponta para 84 mortos e uma centena de feridos, 18 dos quais em estado crítico.

O condutor do camião foi abatido pela polícia e o ataque ainda não foi reivindicado.

Com Lusa

  • Atentado em Nice

    New Articles

    França voltou a ser vítima de um ataque. Em plena celebração do dia da Batilha, um camião foi de encontro a uma multidão em Nice. Mais de 80 pessoas morreram.

  • O momento em que o camião avança contra a multidão
    0:28

    Atentado em Nice

    Um camião embateu, esta noite, numa multidão que assistia ao fogo-de-artifício em Nice. As vítimas estavam a festejar o Dia Nacional de França. O motorista da viatura disparou contra a multidão mas foi abatido. Será um homem de 31 anos, natural de Nice, de origem tunisina. Segundo as autoridades francesas, 80 pessoas foram mortas. O vídeo mostra o momento em que o camião avança contra a multidão.

  • Pelo menos 84 mortos e mais de 100 feridos no ataque em Nice
    0:55

    Atentado em Nice

    A França voltou a ser vítima de um ataque terrorista, ontem à noite. Em plena celebração do Dia da Bastilha, um camião foi de encontro a uma multidão que assistia ao fogo de artifício, numa das principais avenidas de Nice. O condutor disparou várias vezes antes de ser abatido. Pelo menos 84 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas, 18 delas em estado grave, segundo o último balanço.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC