sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Polícia encontrou documentos de franco-tunisino no camião

A polícia francesa encontrou documentos de identificação de um franco-tunisino no camião que na quinta-feira à noite investiu contra uma multidão que assistia a um espetáculo de fogo de artifício na cidade de Nice, sul do país.

© Eric Gaillard / Reuters

"Ainda estamos a identificar o condutor do camião", afirmou uma fonte da polícia francesa, acrescentando que os documentos pertencem a um homem de 31 anos que é habitante de Nice.

O presidente da região de Provence-Alpes-Cote d'Azur, Christian Estrosi, afirmou que havia "armas pesadas" dentro do veículo usado no ataque que resultou em pelo menos 77 mortos.

"Havia pistolas no veículo e armas pesadas, mas não posso dizer mais porque isso cabe às autoridades judiciais", afirmou Christian Estrosi.

Lusa

  • O momento em que o camião avança contra a multidão
    0:28

    Atentado em Nice

    Um camião embateu, esta noite, numa multidão que assistia ao fogo-de-artifício em Nice. As vítimas estavam a festejar o Dia Nacional de França. O motorista da viatura disparou contra a multidão mas foi abatido. Será um homem de 31 anos, natural de Nice, de origem tunisina. Segundo as autoridades francesas, 80 pessoas foram mortas. O vídeo mostra o momento em que o camião avança contra a multidão.

  • Autoridades admitem que possa haver suspeitos em fuga
    0:55

    Atentado em Nice

    O fantasma do terrorismo volta a assombrar França. Em plena celebração do dia da Batilha, em Nice, um camião foi de encontro a uma multidão e assistia oa fogo de artifício, numa das principais avenidas da cidade. As autoridades francesas já falam em atentado mas sem suspeitas sobre os responsáveis. O primeiro balanço aponta para pelo menos 80 mortos e 100 feridos. O presumível condutor já terá sido abatido mas as autoridades admitem que possa haver suspeitos em fuga.

  • Luaty Beirão satisfeito com sinais de mudança de paradigma em Angola
    4:03

    Mundo

    Sete meses depois da tomada de posse de João Lourenço como presidente de Angola, o país vive um tempo de revoluções. Mudanças inéditas que, nas palavras do ativista Luaty Beirão, permitem ter esperança num futuro melhor. O músico esteve em Lagos, a convite da Câmara Municipal, para falar sobre Livros e Liberdade.

  • O portal onde pode consultar certidões e outros documentos sem sair de casa
    7:37
  • Presidente da Comunidade de Madrid demite-se depois da divulgação de vídeo de roubo
    1:27