sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Daesh reclama autoria do ataque em Nice

O Daesh reclamou o atentado de quinta-feira à noite em Nice, quando um camião atingiu uma multidão, causando a morte da 84 pessoas, que celebravam o Dia de França.

FRANCK FERNANDES

A informação foi avançada pela agência de notícias ligada aos jihadistas Amaq que cita uma fonte da segurança do grupo extremista: "O autor da operação, realizada em Nice, em França, é um soldado do Daesh. Ele executou a operação em resposta aos apelos lançados para atacar os países da coligação que combatem o Daesh".

Na quinta-feira à noite, um camião avançou durante dois quilómetros sobre as pessoas que estavam na Promenade des Anglais (Passeio dos Ingleses) a assistir ao fogo-de-artifício para celebrar o dia de França.

O último balanço das autoridades francesas aponta para 84 mortos e 202 feridos.

Entre as vítimas mortais contam-se "dez crianças e adolescentes", afirmou François Mollins, procurador de Paris responsável pela secção antiterrorista do ministério público francês.

Das 202 pessoas que ficaram feridas, 52 estão entre a vida e a morte, precisou o magistrado.

Pelo menos um cidadão português ficou ferido no ataque, confirmou o Governo português.

O condutor do camião foi abatido pela polícia.

As autoridades francesas já consideraram estar perante um atentado e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado. França decretou luto nacional de três dias.

Com Lusa

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.