sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Papa condena massacre em Nice e apela ao fim do derramamento de sangue

O papa Francisco expressou hoje a sua "dor" pelo massacre de quinta-feira em Nice e orou para que Deus faça com que "ninguém ouse novamente derramar o sangue de um irmão".

© Tony Gentile / Reuters

"Nos nossos corações está viva a dor pelo massacre que na noite de quinta-feira, em Nice, acabou com muitas vidas inocentes. Incluindo mesmo muitas crianças", lamentou o pontífice, a partir da janela do Palácio Apostólico, depois da oração do Angelus.

O papa Francisco expressou a sua proximidade "a cada família e a toda a nação francesa em luto".

"Que Deus, Pai bom, acolha em paz todas as vítimas, que acuda os feridos e conforte os familiares. Que Ele interrompa cada projeto de terror e de morte, para que nenhum homem ouse de novo derramar sangue de um irmão", afirmou.

O papa encorajou as centenas de pessoas que o escutavam na Praça de São Pedro a rezar pelas vítimas da tragédia e, depois de meditar um momento, rezou uma "Ave Maria".

Na quinta-feira à noite, um camião avançou durante dois quilómetros sobre uma multidão que estava na Promenade des Anglais (Passeio dos Ingleses), em Nice, a assistir ao fogo-de-artifício para celebrar o dia de França.

O último balanço das autoridades francesas aponta para 84 mortos e mais de 200 feridos. Pelo menos um cidadão português ficou ferido no ataque, confirmou o Governo.

O condutor do camião foi abatido pela polícia e o grupo extremista do Estado Islâmico já reivindicou a autoria do ataque.

As autoridades francesas consideraram estar-se perante um atentado e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais três meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado.

Lusa

  • "Até para o ano", a mensagem de Ronaldo para os adeptos do Real Madrid
  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabine e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19