sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Parlamento unânime na condenação e pesar pelo atentado em Nice

O parlamento foi hoje unânime na aprovação de um voto de condenação e pesar pelo atentado com um camião em Nice, França, que provocou 84 mortos no Dia Nacional de França, 14 de julho.

© Eric Gaillard / Reuters

Na última sessão plenária da I sessão legislativa da XIII Legislatura antes das férias de verão, todos os grupos parlamentares votaram favoravelmente, na presença do embaixador francês em Lisboa, guardando em seguida um minuto de silêncio em memória das vítimas.

"Em Nice, um camião avançou cobardemente sobre centenas de pessoas que estavam a celebrar os valores da liberdade, da igualdade e da fraternidade", lê-se no texto da Assembleia da República.

Os deputados subscritores declaram que "Portugal diz presente por uma política que afirme e defenda os valores da liberdade, democracia e soberania dos estados, orientada para uma cultura de segurança e cooperação nas relações internacionais".

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".