sicnot

Perfil

Atentado em Nice

Cinco pessoas em prisão preventiva por suspeitas de cumplicidade no ataque de Nice

As autoridades judiciais francesas decidiram esta quinta-feira colocar em prisão preventiva as cinco pessoas suspeitas de serem cúmplices do homem que perpetrou o ataque em Nice de 14 de julho, que provocou a morte de 84 pessoas.

Três dos suspeitos foram acusados de atuar como cúmplices em "assassínio de um grupo com ligações terroristas", disse o gabinete do Procurador de Paris.

Os outros dois foram acusados de "violar a lei sobre armas em relação a um grupo terrorista".

O procurador de justiça, François Molins, afirmou quinta-feira que o condutor do camião usado no ataque de Nice, Mohamed Lahouaiej Bouhlel, tinha tido ajuda na preparação do ataque de cinco suspeitos.

Molins disse que quatro homens e mulheres estiverem "envolvidos na preparação" do ataque, que foi planeado com meses de antecedência.

No dia 14 de julho, um camião avançou durante dois quilómetros sobre uma multidão que estava a assistir ao fogo-de-artifício para celebrar o dia de França na Promenade des Anglais, em Nice

O último balanço das autoridades francesas aponta para 84 mortos e 202 feridos. Pelo menos quatro cidadãos portugueses ficaram feridos no ataque, confirmou o Governo.

As autoridades francesas consideraram estar-se perante um atentado e o Presidente da França, François Hollande, anunciou o prolongamento por mais seis meses do estado de emergência que vigora no país desde o ano passado.

O condutor do camião foi abatido pela polícia e o autoproclamado Estado Islâmico reivindicou a autoria do atentado.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.