sicnot

Perfil

Autárquicas 2017

Distritais do PSD e CDS selam acordo para coligação em Sintra

Os presidentes das distritais de Lisboa do PSD e do CDS-PP anunciaram esta segunda-feira que os partidos vão concorrer em coligação no município de Sintra nas autárquicas deste ano, numa candidatura liderada pelo independente Marco Almeida.

"PSD e CDS têm, assim, o privilégio de apresentar como candidatos Marco Almeida, cabeça de lista à Câmara Municipal, e José Ribeiro e Castro, cabeça de lista à Assembleia Municipal, dois nomes capazes de oferecer a Sintra mais energia, mais ambição e mais futuro", refere um comunicado conjunto dos presidentes das distritais do PSD e do CDS-PP, a que a Lusa teve acesso.

Segundo o documento subscrito por Miguel Pinto Luz, presidente da distrital social-democrata, e João Gonçalves Pereira, que lidera a distrital do CDS-PP, o acordo para a coligação em Sintra vai ser submetido "para aprovação às respetivas comissões políticas".

Lusa

  • CDS nega desentendimento com o PSD sobre coligações autárquicas
    2:25

    País

    Apesar da ruptura das negociações para a corrida à Câmara de Lisboa, Assunção Cristas garantiu esta terça-feira que não há qualquer desentendimento com o PSD sobre listas conjuntas no resto do país. As negociações ainda decorrem mas, como a SIC tinha noticiado, já se sabe que serão mais de 100 as câmaras onde PSD e CDS vão concorrer em coligação.

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.