sicnot

Perfil

Autárquicas 2017

Cristas condena suspeição lançada por Medina sobre investigação

Cristas condena suspeição lançada por Medina sobre investigação

A candidata do CDS-PP à Câmara de Lisboa criticou hoje Fernando Medina pela suspeição lançada sobre todas as candidaturas pela denúncia que originou a investigação do Ministério Público à compra de um imóvel pelo autarca socialista.

"À justiça o que é da justiça, à política o que é da política. Portanto, não fazemos política com base nestes casos, mas também tenho de dizer ao senhor presidente da Câmara de Lisboa que não aceitamos o manto de suspeição que ontem veio lançar sobre todas as candidaturas quando referiu que haveria influências partidárias", afirmou Assunção Cristas.

A cabeça de lista da coligação "Pela Nossa Lisboa" (CDS-PP/MPT/PPM) reagia à "profunda indignação" que Fernando Medina expressou pela denúncia anónima recebida na Procuradoria-Geral da República relativa à compra de um imóvel, dizendo que "foram também feitas chegar por mão de candidaturas adversárias a jornais".

Sem especificar a que candidaturas se referia, Fernando Medina declarou: "podem tentar, mas não vão conseguir porque nós não vamos desistir desta campanha e de fazer desta campanha aquilo que ela deve ser".

Assunção Cristas recusou estar implicada na denúncia e argumentou pela gravidade da acusação do atual presidente da Câmara de Lisboa e candidato do PS. "Da parte do CDS, não temos nada a ver, rejeitamos, mas acho que é grave, porque de repente 11 candidaturas ficam sob suspeita. O que nos interessa, como sempre fizemos, é discutir ideias, é discutir prioridades para a cidade de Lisboa. Ando no terreno há mais de um ano e é isso que tenho feito", afirmou a candidata centrista e líder do partido.

Assunção Cristas falava aos jornalistas depois de acompanhar a entrada de alunos na escola básica do Largo de Leão, na freguesia de Arroios, onde um protesto da associação de pais pedia mais funcionários na escola, um plano de emergência para o estabelecimento e obras de qualificação.

Com Lusa

  • Medina publica documentação relativa à compra da casa
    2:21

    País

    O Ministério Público está a investigar a compra de uma casa pelo presidente da Câmara de Lisboa, depois de ter recebido uma denúncia anónima em finais de agosto. Fernando Medina considera que teve um comportamento ético irrepreensível e remete todos os esclarecimentos para a documentação sobre a compra que publicou na Internet.

  • "Medina devia ter sido mais cauteloso, porque é presidente de câmara"
    4:43

    Opinião

    Bernardo Ferrão diz que o objetivo da denúncia anónima sobre o negócio imobiliário de Fernando Medina é perturbar a campanha autárquica do atual Presidente da Câmara de Lisboa. Considera ainda que se trata de um erro político e que o autarca devia ter sido mais cauteloso, uma vez que tem um cargo público e político.

  • Atropelamento em Copacabana fere 15 e mata bebé de 18 meses
    1:13

    Mundo

    Pelo menos uma pessoa morreu e 15 ficaram feridas num atropelamento na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, no Brasil. O condutor, um homem de 41 anos, diz ter perdido o controlo do carro, invadiu a calçada, percorreu 15 metros e só parou no areal de uma das zonas mais turísticas do Brasil. A polícia militar confirmou, entretanto, em comunicado que não há qualquer indício de que se tenha tratado de um ataque terrorista e avançou que o condutor sofreu um ataque de epilepsia.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38