sicnot

Perfil

Autárquicas 2017

Cristas condena suspeição lançada por Medina sobre investigação

Cristas condena suspeição lançada por Medina sobre investigação

A candidata do CDS-PP à Câmara de Lisboa criticou hoje Fernando Medina pela suspeição lançada sobre todas as candidaturas pela denúncia que originou a investigação do Ministério Público à compra de um imóvel pelo autarca socialista.

"À justiça o que é da justiça, à política o que é da política. Portanto, não fazemos política com base nestes casos, mas também tenho de dizer ao senhor presidente da Câmara de Lisboa que não aceitamos o manto de suspeição que ontem veio lançar sobre todas as candidaturas quando referiu que haveria influências partidárias", afirmou Assunção Cristas.

A cabeça de lista da coligação "Pela Nossa Lisboa" (CDS-PP/MPT/PPM) reagia à "profunda indignação" que Fernando Medina expressou pela denúncia anónima recebida na Procuradoria-Geral da República relativa à compra de um imóvel, dizendo que "foram também feitas chegar por mão de candidaturas adversárias a jornais".

Sem especificar a que candidaturas se referia, Fernando Medina declarou: "podem tentar, mas não vão conseguir porque nós não vamos desistir desta campanha e de fazer desta campanha aquilo que ela deve ser".

Assunção Cristas recusou estar implicada na denúncia e argumentou pela gravidade da acusação do atual presidente da Câmara de Lisboa e candidato do PS. "Da parte do CDS, não temos nada a ver, rejeitamos, mas acho que é grave, porque de repente 11 candidaturas ficam sob suspeita. O que nos interessa, como sempre fizemos, é discutir ideias, é discutir prioridades para a cidade de Lisboa. Ando no terreno há mais de um ano e é isso que tenho feito", afirmou a candidata centrista e líder do partido.

Assunção Cristas falava aos jornalistas depois de acompanhar a entrada de alunos na escola básica do Largo de Leão, na freguesia de Arroios, onde um protesto da associação de pais pedia mais funcionários na escola, um plano de emergência para o estabelecimento e obras de qualificação.

Com Lusa

  • Medina publica documentação relativa à compra da casa
    2:21

    País

    O Ministério Público está a investigar a compra de uma casa pelo presidente da Câmara de Lisboa, depois de ter recebido uma denúncia anónima em finais de agosto. Fernando Medina considera que teve um comportamento ético irrepreensível e remete todos os esclarecimentos para a documentação sobre a compra que publicou na Internet.

  • "Medina devia ter sido mais cauteloso, porque é presidente de câmara"
    4:43

    Opinião

    Bernardo Ferrão diz que o objetivo da denúncia anónima sobre o negócio imobiliário de Fernando Medina é perturbar a campanha autárquica do atual Presidente da Câmara de Lisboa. Considera ainda que se trata de um erro político e que o autarca devia ter sido mais cauteloso, uma vez que tem um cargo público e político.

  • Germano Almeida vence Prémio Camões

    Cultura

    O escritor cabo-verdiano Germano Almeida é o vencedor do Prémio Camões 2018, foi esta segunda-feira anunciado, no Hotel Tivoli, em Lisboa, após reunião do júri.

  • "Fui violada por Harvey Weinstein aqui em Cannes"
    1:02

    Cultura

    A cerimónia de encerramento do Festival de Cinema de Cannes ficou ainda marcada pelo discurso de Asia Argento. A atriz italiana que acusou Harvey Weinstein de a ter violado justamente numa das edições do festival de Cannes, e que há mais abusadores à solta.

  • As primeiras imagens das quatro crias da lince Malva
    0:20
  • Eis os novos heróis de Vila de Aves
    3:03
  • Desportivo das Aves fora da Liga Europa

    Desporto

    O Desportivo das Aves não vai à Liga Europa e o Sporting terá entrada direta na fase de grupos. Apesar da conquista da Taça de Portugal, a equipa avense não se licenciou em tempo útil para poder participar na prova da UEFA, apurou a SIC.

  • E agora, Sporting? Semana de decisões e incertezas
    2:53
  • "Para primeiro dia de pesca da sardinha, não foi mau"
    2:19
  • "Desfiliei-me do PS mas continuo socialista"
    1:29

    País

    José Sócrates garantiu este domingo que não atacará o PS e que continua a ser socialista. O antigo primeiro-ministro participou num almoço de apoio, em Lisboa, com cerca de 100 pessoas, a maioria anónimos.