sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Santander comunica compra do Banif e diz que litígios ficam fora do negócio

O Santander Totta comunicou hoje ao regulador do mercado que se tornará "o segundo banco privado português" após a aquisição de parte do Banif por 150 milhões de euros, indicando que possíveis litígios ficam na instituição portuguesa.

Tiago Petinga/ Lusa

Numa informação enviada esta manhã à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o Santander Totta comunica que o Banco de Portugal lhe adjudicou "a maior parte dos ativos e passivos" do Banif por "150 milhões de euros".

"A operação incrementa em 2,5 pontos a quota de mercado do Santander Totta em Portugal, que passa a ser de 14,5% em créditos e depósitos, situando-o como o segundo banco privado do país", lê-se no texto.

A operação terá um "impacto imaterial" no capital do Santander e "ligeiramente positivo" no benefício a partir do primeiro ano, acrescenta o documento em língua espanhola.

De acordo com o texto, a operação será concretizada "mediante a transferência de uma parte substancial (o negócio da banca comercial) dos ativos e passivos do Banco Banif para o Santander Totta".

O banco espanhol "pagará 150 milhões de euros pelos ativos e passivos do Banco Banif, que se transmitem adequadamente aprovisionados".

"Outros ativos e passivos permanecem no banco Banif, que é a entidade responsável pelos possíveis litígios decorrentes da sua atividade no passado, para a sua liquidação ou venda ordenada", assinala.

A nota refere que o negócio situa o Santander como "o segundo banco privado de Portugal, atrás do BCP-Millenium, com uma quota de mercado de 14,5% em créditos e depósitos".

"O Banco Banif comporta 2,5 pontos de quota de mercado e conta com uma rede de 150 balcões e 400.000 clientes", sendo "especialmente relevante nos arquipélagos da Madeira e Açores, onde conta com quotas de mercado muito elevadas", sublinha.

O documento enviado à CMVM destaca ainda declarações da presidente do Santander, Ana Botín.

"A aquisição do Banif é mais um exemplo da aposta do Banco Santander em Portugal, um dos principais países do grupo. Estamos totalmente comprometidos com o desenvolvimento económico de Portugal", salienta Ana Botín, citada no comunicado.

Lusa

  • Banif vendido por 150 milhões ao Santander
    1:43

    Banif

    O Banif foi vendido ao Santander por 150 milhões de euros. Mas a venda só foi possível com a aplicação de uma medida de resolução, tal como aconteceu ao BES há menos de um ano e meio. A operação deixa protegidos os depositantes, mas envolve um apoio público superior a 2 mil milhões de euros que leva hoje o governo a discutir num conselho de ministros extraordinário a aprovação de um orçamento retificativo.

  • PS vai exigir inquérito parlamentar ao Banif

    Banif

    O líder parlamentar do PS, Carlos César, anunciou hoje que o partido vai exigir um inquérito parlamentar em torno do Banif, entidade, diz o socialista, "negligenciada" pelo executivo PSD/CDS-PP e cuja venda foi anunciada no domingo pelo primeiro-ministro.

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.