sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Banco de Portugal proíbe Banif de dar crédito e receber depósitos

O Banif está proibido de conceder crédito e receber depósitos, de acordo com uma deliberação do Banco de Portugal (BdP), divulgada ontem na página da Internet do regulador bancário.

Tiago Petinga/ Lusa

Na deliberação, aprovada após uma reunião extraordinária do conselho de administração do Banco de Portugal realizada no domingo à noite, o BdP salienta que ao transferir a "parcela mais significativa da atividade e do património do Banif para a Naviget e para o Banco Santander Totta, aquele deixou de reunir condições para exercer a sua atividade de forma autónoma ou para continuar a operar no mercado em condições de normalidade".

No âmbito das "medidas de intervenção corretiva" tomadas para "preservar a estabilidade do sistema financeiro português" o Banif fica proibido de conceder crédito e aplicar fundos em quaisquer espécies de ativos, exceto quando estas aplicações sejam necessárias para preservar e valorizar o ativo, bem como de receber depósitos.

O Banif fica igualmente dispensado da "observância das normas prudenciais aplicáveis pelo prazo de um ano", a contar da data da deliberação.

O Governo e o Banco de Portugal decidiram no domingo a venda da atividade do Banif e da maior parte dos seus ativos e passivos ao Banco Santander Totta por 150 milhões de euros, enquanto os ativos recusados pelo Santander foram transferidos para uma sociedade veículo de nome Naviget.

Lusa

  • Venda do Banif em análise
    7:42

    Banif

    O Banif foi vendido ao Santander Totta por 150 milhões de euros com perdas para os contribuintes. O Santander Totta fica com trabalhadores, balcões e depósitos. Será criada uma sociedade para os ativos tóxicos do banco e há também um banco mau que fica com ativos de risco. O Estado perde 825 milhões de euros aplicados no banco há 3 anos. A solução vai custar mais 2.555 milhões de euros ao Estado, 489 milhões são emprestados ao Fundo de Resolução. O Estado vai gastar ainda 1.016 milhões de euros para um aumento de capital direto do banco. O primeiro-ministro diz que se deparou com situação de urgência e garante que solução assegura depósitos. O ministro das Finanças diz que adiamento da solução fez aumentar custos da intervenção para salvar o banco. "Neste momento o risco é de uma perda de 3.500 milhões de euros". Estes foram alguns dos pontos passados em revista.

  • Costa responsabiliza anterior Governo pelo arrastar do processo do Banif
    2:05

    Banif

    António Costa responsabiliza o anterior Governo pelo arrastar do processo do Banif. Numa primeira fase, o Executivo de Passos Coelho terá pedido mais tempo a Bruxelas para não comprometer a saída do programa de assistência. Mas, numa carta enviada a Maria Luís Albuquerque – e, a que a TSF teve acesso, a Comissão Europeia volta a insistir numa rápida solução para o Banco. Já na semana passada, o presidente executivo do Banif dizia à SIC que foi o anterior Governo que não quis abrir um concurso para vender o banco.

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.