sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Trabalhadores serão "preservados num momento inicial", diz gestor da Apollo aos sindicatos

O gestor Gustavo Guimarães, do grupo Apollo, que está em negociações para comprar a Açoreana, disse hoje ao SINAPSA que, "num momento inicial, os postos de trabalho são para serem preservados", admitindo saídas posteriores de parte dos 700 empregados.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

Tiago Petinga

A dirigente sindical Ana Rita Páscoa, do Sinapsa - Sindicato Nacional dos Profissionais de Seguros e Afins, reuniu-se hoje com Gustavo Guimarães, da seguradora Tranquilidade e do grupo norte-americano Apollo, para saber das condições em que está a ser negociada a compra da Apollo, que era do Banif, e do impacto nos trabalhadores.

Segundo disse à Lusa a responsável, o gestor assegurou que, "num momento inicial, os postos de trabalho é para serem preservados", mas admitiu que depois poderá haver saídas, quer tendo em conta a idade média de pessoas, quer por rescisões de mútuo acordo que venham a acontecer.

Questionado sobre o facto de a proposta da Apollo para comprar a Açoreana não ter uma cláusula que salvaguarda os postos de trabalho, Ana Rita Páscoa afirmou que o gestor considerou não "haver necessidade uma vez que a Apollo está a comprar o negócio e atrás dele vem tudo", caso dos trabalhadores.

Gustavo Guimarães acrescentou ainda na reunião, segundo a dirigente sindical, que a empresa precisa de ser capitalizada mas que os auditores ainda estão a apurar o valor em falta e que "já não são dezenas, são centenas de milhões de euros" que são precisos na companhia para assegurar a continuidade do negócio.

A semana passada a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) anunciou que foram estabelecidos os termos de um pré-acordo de venda e capitalização da Açoreana Seguros, que era do Banif, à norte-americana Apollo Global Management, deixando de fora para já as outras duas concorrentes, Caravela e a Allianz.

O objetivo final da Apollo será integrar a Açoreana na Tranquilidade, empresa que era do grupo BES e que comprou em início de 2015.

Neste processo os trabalhadores têm-se mostrado muito preocupados quanto aos 700 postos de trabalho, uma vez que o acordo não tem uma cláusula a garantir a sua salvaguarda e a Tranquilidade já tem 600 empregados.

A Açoreana pertencia ao grupo Banif e, com a resolução do banco em dezembro do ano passado, o Estado ficou com a parte da seguradora que era do banco, 47,7%, que está agora integrada na sociedade pública Oitante. O restante capital, 52,3%, é da Soil SGPS, sociedade dos herdeiros de Horácio Roque, que foi o fundador do Banif em 1988.

Lusa

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.