sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Ex-administrador do Banif assume que ficou surpreendido com resolução do banco

O antigo administrador do Banif Joaquim Marques dos Santos está hoje a ser ouvido na comissão de inquérito sobre o banco e já declarou perante os deputados ter ficado surpreendido com a resolução, definida em dezembro de 2015.

MARIO CRUZ / LUSA

Questionado pela deputada do PSD Margarida Mano sobre se a resolução do banco o surpreendeu, Marques dos Santos foi direto: "Surpreendeu", disse, sem mais acrescentar.

Antes, o antigo presidente executivo do Banif - que sucedeu ao fundador Horácio Roque, falecido em 2010 - lembrou que o banco procurou entre 2010 e 2011 "no Brasil, Espanha e Reino Unido" capitalizar a instituição.

"Por uma razão ou outra não conseguimos", reconheceu Marques dos Santos.

O Banif viria posteriormente a recorrer à linha da 'troika', disponibilizada durante o programa de ajustamento económico, para o setor bancário.

Joaquim Marques dos Santos começou a sua intervenção no parlamento por dizer que, após a sua saída do banco, em 2012, nunca teve "contactos formais" com os órgãos sociais do Banif.

Todas as decisões que tomou enquanto presidente do banco estão "devidamente documentadas e justificadas com todo o seu fundamento", acrescentou, insistindo que, desde 2012, tudo o que sabe do Banif foi o que veio noticiado na comunicação social.

A auditoria forense de 2014 do Banco de Portugal não contou, portanto, com o seu contributo: "Nunca fui ouvido na auditoria, nem nessa nem em nenhuma outra", vincou aos deputados da comissão de inquérito.

As audições na comissão parlamentar de inquérito à resolução do Banif começam hoje: de manhã é ouvido o antigo administrador Marques dos Santos, e de tarde prestará esclarecimentos aos deputados o também antigo administrador Jorge Tomé.

O processo de venda do banco, em dezembro de 2015, domina os trabalhos para se proceder à "avaliação de riscos e alternativas" da decisão, "no interesse dos seus trabalhadores, dos depositantes, dos contribuintes e da estabilidade do sistema financeiro".

Também a avaliação do "comportamento da autoridade de supervisão financeira", o Banco de Portugal, sobre o caso Banif, é um dos objetivos da comissão parlamentar de inquérito sobre a venda do banco.

A comissão também tem já agendadas as próximas audições: na quarta-feira, serão ouvidos Luís Amado, ex-administrador do Banif, e, na quinta-feira, será a vez de António Varela, antigo administrador nomeado pelo Estado (de 2013 a 2014) e administrador do Departamento de Supervisão Prudencial do Banco de Portugal (desde 2014 até março 2016).

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.