sicnot

Perfil

Banif

Banif

Banif

Relatório final do inquérito ao Banif votado a 28 de julho

​O relatório final da comissão parlamentar de inquérito ao Banif vai ser votado em sede de comissão no di 28 de julho, revelou hoje fonte parlamentar à agência Lusa.

© Rafael Marchante / Reuters (Arquivo)

Esteve hoje reunida a mesa e os coordenadores dos partidos e ficaram calendarizados os prazos em torno do relatório dos trabalhos, a cargo do deputado do PS, Eurico Brilhante Dias.

Assim, o texto será enviado pelo parlamentar aos vários partidos no dia 21 deste mês, sendo que a 25 haverá uma reunião para a apresentação do relatório. Porteriormente, serão apresentadas as propostas de alteração antes da reunião de 28 de julho para a votação do texto.

As audições da comissão de inquérito terminaram no dia 21 de junho, com a presença no parlamento do ministro das finanças, Mário Centeno.

Em 20 de dezembro de 2015, o Banco de Portugal e Governo anunciaram a resolução do Banif, a venda de alguns ativos ao Santander Totta e a transferência de outros (alguns deles tóxicos) para a sociedade-veículo Oitante.

A operação surpreendeu pela dimensão do dinheiro estatal envolvido, que no imediato foram mais de de 2 mil milhões de euros, o que obrigou a um Orçamento retificativo.

A este valor há ainda que somar a prestação de garantias de 746 milhões de euros e a perda dos cerca de 800 milhões de euros que o Estado tinha emprestado em 2012 e que não tinham sido devolvidos.

No total, e retirando os 150 milhões de euros pagos pelo Totta, os custos para contribuintes podem ser superiores a 3 mil milhões de euros.

Com Lusa

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.