sicnot

Perfil

Boko Haram

Boko Haram

Boko Haram

Revolta do Boko Haram terá matado 20 mil pessoas na Nigéria

A revolta do grupo radical Boko Haram no Estado de Borno (nordeste da Nigéria) terá matado cerca de 20.000 pessoas, segundo um relatório do Banco Mundial, que estima em 5,2 mil milhões de euros o custo da destruição.

Bandeira do grupo Boko Haram.

Bandeira do grupo Boko Haram.

© Joe Penney / Reuters

No relatório, que de acordo com a agência France Presse ainda não foi publicado, revela-se a amplitude dos danos ligados à rebelião islamita que se iniciou em 2009 e que durante algum tempo controlou vastas zonas do nordeste da Nigéria.

Integra-se numa "avaliação da reconstrução e da pacificação pós-insurreição", um programa de intervenção que envolve o Banco Mundial, a União Europeia e as Nações Unidas com seis Estados do nordeste nigeriano.

A avaliação realizada no terreno em cada um dos seis Estados analisou a educação, água, saneamento, habitação, edifícios públicos, energia, ambiente, transportes, economia e comércio.

Só no Estado de Borno poderão ter sido mortos 20.000 pessoas, um número superior ao de anteriores estimativas, disseram hoje à AFP fontes com conhecimento do relatório.

Além disso, a maioria dos dois milhões de deslocados são originários daquele Estado, feudo do Boko Haram e particularmente afetado pelos ataques e atentados dos 'jihadistas'.

Nos 27 distritos do Estado de Borno, os combates destruíram ou danificaram cerca de 30% das habitações, 5.335 salas de aula e edifícios em 552 estabelecimentos de ensino, 1.205 edifícios administrativos, 76 postos de polícia, 35 estações de eletricidade, 14 prisões, 201 centros de saúde e 1.630 pontos de água.

O governo calculou ainda que pastagens, bacias hidrográficas e lagos foram envenenados em 16 distritos e que 470.000 cabeças de gado foram mortas ou roubadas.

A extensão dos danos é superior a 1.900 mil milhões de naira, ou seja, 5,9 mil milhões de dólares.

Lusa

  • Três irmãos resgatados dos escombros em Itália
    1:24
  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • Graça Fonseca, a primeira governante a assumir-se homossexual
    1:02

    País

    A secretária de Estado da Modernização Administrativa deu uma entrevista ao Diário de Notícias onde assume a sua homossexualidade. É a primeira vez que um governante português o faz. Graça Fonseca assume esta posição pública como uma "afirmação política".

  • Governo quer entregar OE 2018 a 13 de outubro
    1:33
  • Casa Branca isolada devido a pacote suspeito

    Mundo

    A Casa Branca foi esta terça-feira isolada devido à presença de um pacote suspeito junto a uma das vedações que limitam o edifício governamental norte-americano. A situação já foi normalizada e o objeto retirado do local.