sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Juncker insiste que não haverá novas negociações porque "fora é fora"

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, insistiu hoje que "não haverá qualquer tipo de nova negociação" com o Reino Unido na sequência do referendo sobre a permanência na União Europeia, sublinhando que uma saída será definitiva.

© Yves Herman / Reuters

"Fora é fora", afirmou, quando questionado sobre o referendo durante uma conferência de imprensa conjunta com o chanceler austríaco, Christian Kern, em Bruxelas, na véspera da consulta no Reino Unido, agendada para quinta-feira.

O presidente da Comissão apontou que "os políticos britânicos e os eleitores britânicos devem saber que não haverá qualquer tipo de nova negociação" com Londres, recordando que os restantes 27 Estados-membros já fizeram muitas concessões no quadro do acordo fechado com o primeiro-ministro, David Cameron, em fevereiro passado.

Para sexta-feira de manhã (10:30 locais, 11:30 em Lisboa) está prevista uma reunião, em Bruxelas, entre os presidentes das principais instituições europeias, designadamente Juncker, Donald Tusk (Conselho) e Martin Schulz (Parlamento Europeu), e ainda Mark Rutte, primeiro-ministro holandês, por ser este o país que detém, até julho, a presidência rotativa da União Europeia, para discutir o resultado do referendo.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.