sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

JPMorgan admite deslocar empregados para fora do Reino Unido

O banco norte-americano JPMorgan, que emprega 16.000 pessoas no Reino Unido, afirmou hoje que poderá deslocar trabalhadores para fora do país na sequência da vitória do Brexit no referendo de quinta-feira.

© Mike Segar / Reuters

"Se calhar vamos precisar de adotar mudanças na estrutura da nossa entidade legal europeia e na localização de determinados empregos", indicou a direção do banco num comunicado interno a que a AFP teve acesso.

O presidente executivo do JPMorgan, Jamie Dimon, tinha dito antes do referendo que entre 1.000 e 4.000 empregos poderiam ter de ser deslocalizados.

"Mesmo que estas mudanças não sejam certas, devemos estar preparados para nos adotar às novas leis para servir os nossos clientes em todo o mundo", indica o 'email' interno assinado por Jamie Dimon e dois outros altos responsáveis do banco.

"Independentemente do resultado de hoje, vamos manter uma presença importante em Londres, em Bournemouth e na Escócia, servindo os nossos clientes locais como o fazemos há mais de 150 anos", adianta.

O banco britânico HSBC afirmou hoje que começou "uma nova era para o Reino Unido e empresas britânicas", tendo a direção da instituição admitido anteriormente a possibilidade de deslocalizar um milhar de empregos para Paris em caso de 'Brexit'.

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.