sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

MNE holandês quer resposta da UE a "preocupações concretas" dos cidadãos

O ministro dos Negócios Estrangeiros holandês, Bert Koenders, afirmou hoje que a União Europeia (UE) deverá dar uma resposta a "preocupações concretas" dos cidadãos e não continuar o "business as usual" (o mesmo de sempre).

© Yves Herman / Reuters

Koenders afirmou lamentar e respeitar a decisão da população britânica de abandonar os 28, acrescentando o objetivo da presidência rotativa da UE, que pertence até final de junho à Holanda, de "trabalhar para os cidadãos e resolver problemas".

Antevendo a oposição entre quem não quer a Europa e os que defendem maior integração, o responsável referiu que a resposta que deve ser procurada é "olhar para as preocupações dos cidadãos: migração, emprego e segurança" e não seguir o "business as usual".

O ministro falava à entrada da primeira reunião que juntará responsáveis da UE - encontro de assuntos gerais, no Luxemburgo -, após a vitória da saída do Reino Unido, no referendo de quarta-feira.

No encontro participa a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Margarida Marques.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido vai sair a União Europeia, depois de o Brexit ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira, cuja taxa de participação foi de 72,2%.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou já a intenção de se demitir em outubro, na sequência deste resultado.

As principais bolsas europeias abriram hoje em forte queda, com a bolsa de Londres a descer perto dos 8%.

Lusa

  • Como se sobrevive à dor em Nodeirinho e Pobrais
    2:43
  • Raphäel Guerreiro vai continuar a acompanhar a seleção
    1:08
  • 74 mil alunos do secundário têm a vida "suspensa" 
    2:22

    País

    Enquanto o Ministério Público investiga a fuga de informação no exame nacional de Português do 12.º ano, 74 mil estudantes ficam com a vida suspensa. Se a fuga se confirmar, o exame corre o risco de ser anulado e as candidaturas ao ensino superior atrasam. O Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), responsável pelos exames, prometeu esclarecimentos para os próximos dias.