sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Primeiro-ministro da Dinamarca "muito triste" com triunfo do Brexit

O primeiro-ministro da Dinamarca, o liberal Rasmussen, considerou "muito triste" o triunfo do brexit e alerta para que o euroceticismo que existe em vários países deve ser levado a sério.

© Scanpix Denmark / Reuters

"Devemos respeitar a eleição que a maioria da população britânica conseguiu mas, ao mesmo tempo, não escondo que é um resultado muito triste para a Europa e para a Dinamarca", disse em comunicado Lars Lokke Rasmussen líder do governo minoritário dinamarquês, apoiado pelos partidos de direita.

Rasmussen frisou que que deve ser o executivo britânico a decidir o caminho que quer prosseguir, mas mostrou o desejo de que o Reino Unido mantenha uma "estreita relação" com a União Europeia.

"O referendo britânico não interfere na posição da Dinamarca em relação à União Europeia", disse Rasmussen, que recordou a dependência da economia dinamarquesa em relação à cooperação europeia.

O primeiro-ministro dinamarquês referiu-se também aos resultados das consultas que foram realizadas recentemente na Dinamarca e na Holanda e que "devem suscitar reflexão e ação".

"Entre a população existe ceticismo perante a União Europeia. Todos nós que tomamos decisões no quadro da União Europeia devemos levar esta circunstância muito a sério", afirmou.

A Dinamarca, que não faz parte do euro, rejeitou num referendo realizado no passado mês de dezembro as situações de exceção nas áreas da justiça e da segurança que mantém desde 1993.

Os eleitores britânicos decidiram que o Reino Unido vai sair a União Europeia, depois de o 'Brexit' ter conquistado 51,9% dos votos no referendo de quinta-feira, cuja taxa de participação foi de 72,2%.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, anunciou já a intenção de se demitir em outubro, na sequência deste resultado,

As principais bolsas europeias abriram hoje em forte queda, com a bolsa de Londres a descer perto dos 8 por cento.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.