sicnot

Perfil

Brexit

Cameron explica aos 27 como pretende efetuar saída do Reino Unido da UE

Cameron explica aos 27 como pretende efetuar saída do Reino Unido da UE

David Cameron está hoje a informar os ainda parceiros da União Europeia sobre o que pretende fazer, quanto aos resultados do referendo do Reino Unido. Em declarações à chegada ao Conselho Europeu em Bruxelas, o primeiro-ministro demissionário disse que a saída deve ser feita de forma construtiva, uma vez que os britânicos não deixam de ser europeus.

Cameron afirmou aos jornalistas que, apesar de o Reino Unido estar a sair da UE "não pode voltar as costas à Europa".

"Estes países são nossos vizinhos, são nossos amigos, são nossos aliados, são nossos parceiros", continuou o primeiro-ministro demissionário, que deverá abandonar o cargo em outubro.

"Espero sinceramente que procuremos a relação mais estreita possível em termos de comércio, cooperação e segurança, porque é bom para nós e para eles".

Cameron, que liderou a campanha pela manutenção do Reino Unido na UE, está sob a forte pressão de outros líderes europeus para apressar os procedimentos de saída, acionando o artigo 50.º do Tratado de Lisboa.

O atual chefe do Governo britânico já disse, porém, que não quer ser ele a acionar este mecanismo - que inicia um processo com uma duração de até dois anos, estabelecida no Tratado -, sendo sua intenção deixar a formalização da saída para o seu sucessor.

Com Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15