sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Governo britânico exclui segundo referendo em resposta a peticionários

O Governo britânico respondeu hoje a mais de quatro milhões de cidadãos que assinaram a petição para um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia ('Brexit'), excluindo a realização de nova consulta popular.

Reuters


Segundo a agência France Presse, cada signatário da petição recebeu um 'email' (mensagem de correio eletrónico) do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

A petição vinha pedir ao Governo que criasse uma regra para que a decisão de sair ou ficar na União Europeia fosse anulada se tivesse menos de 60% dos votos, quando a votação que determinou o 'Brexit' obteve 51,9%.

A petição defende ainda que com taxa de participação inferior a 75% o referendo deve ser repetido, quando o último, de 23 de junho, obteve 72% de participação.

Na resposta aos peticionários, o Governo britânico argumentou que nenhum limiar mínimo de afluência às urnas tinha sido definido quando foi aprovado o referendo para manutenção ou não do Reino Unido na União Europeia.

"Como o primeiro-ministro disse claramente na sua declaração perante a Câmara dos Comuns em 27 de junho, o referendo foi o maior exercício democrático na história britânica, com mais de 33 milhões de pessoas que se pronunciaram", refere a mensagem enviada aos signatários da petição.

O 'email' adianta que "a decisão deve ser respeitada" e que se deve manter a preparação de processo de saída da União Europeia.

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.