sicnot

Perfil

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit / Eleições no Reino Unido

Brexit

PM italiano defende que Europa "não está acabada" após Brexit

O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, defendeu esta segunda-feira que a União Europeia "não está acabada" após a saída do Reino Unido, numa conferência de imprensa com a chanceler alemã, Angela Merkel, e o Presidente francês, François Hollande.

"Muitos pensaram, depois do Brexit, que a Europa estava acabada. Não é esse o caso", declarou Renzi a bordo do porta-aviões Garibaldi, ao largo da ilha italiana de Ventotene, antes de um jantar de trabalho com Merkel e Hollande.

Os três dirigentes europeus procuram formas para relançar a União Europeia após o choque do resultado do referendo de 23 de junho, a favor da saída dos britânicos da UE.

"O risco atual na Europa é a fragmentação, a divisão", indicou, por seu turno, François Hollande.

O Brexit e suas consequências sobre o futuro da UE rapidamente fizeram com que os dirigentes italiano, alemão e francês se reunissem numa anterior minicimeira, em Berlim, a 27 de junho, onde apelaram para um "novo impulso" à Europa.

O seu encontro desta segunda-feira no Mediterrâneo ocorre três semanas antes de uma cimeira europeia extraordinária agendada para 16 de setembro em Bratislava e convocada após o inesperado golpe do 'Brexit'.

Por sua vez, Merkel precisou que a crise migratória que a União Europeia, e a Alemanha em particular, enfrentam será um dos temas do jantar de trabalho.

Antes, os três líderes europeus tinham visitado, na ilha vizinha de Ventotene, o túmulo de Altiero Spinelli, autor de um manifesto federalista frequentemente citado por Renzi, considerado um dos grandes inspiradores do projeto europeu e que Benito Mussolini encarcerou em 1941 naquela pequena ilha entre Roma e Nápoles.

Lusa

  • CGTP espera milhares na 1ª manifestação nacional do ano
    1:49

    País

    A CGTP-IN conta ter "dezenas de milhares de trabalhadores" de todo o país e setores de atividade na primeira manifestação nacional do ano, marcada para esta tarde, em Lisboa, em defesa da valorização do trabalho e dos trabalhadores.Estão previstas centenas de autocarros e quatro comboios especiais, um de Braga e três do Porto, para transportar os manifestantes para a capital.De Coimbra saíram 13 autocarros, com cerca de 700 trabalhadores, de setores diferentes para exigir ao governo reposição de direitos perdidos.

  • A semana em revista

    Mundo

    Com a semana a chegar ao fim, a SIC Notícias apresenta-lhe, num único artigo, os destaques que marcaram a atualidade nos últimos dias. Um espaço onde pode ficar a saber, ou simplesmente recordar, os temas que marcaram a semana noticiosa.

    André de Jesus