sicnot

Perfil

Brexit

Brexit

Brexit

Theresa May vai canalizar 46 M€ para impulsionar turismo após o Brexit

A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou hoje um novo fundo de 40 milhões de libras (46 milhões de euros) para desenvolver projetos turísticos no Reino Unido a fim de impulsionar o setor na sequência do "Brexit".

Em comunicado, a chefe de Governo indicou que a saída do país da União Europeia (UE) -- opção escolhida pelos britânicos no referendo de 23 de junho -- vai criar "oportunidades reais de crescimento" na indústria do turismo.

"A decisão dos britânicos de abandonar a UE vai criar oportunidades reais para o crescimento, [pelo que] trabalharemos em estreita colaboração com a indústria para garantir que continuará a prosperar enquanto avançam as negociações do 'Brexit'", disse a líder.

Até ao momento foram anunciados sete novos projetos para impulsionar o turismo, cinco dos quais situados no sul de Inglaterra.

Apenas um dos projetos aprovados até agora vai desenvolver-se no norte do país.

Segundo a primeira-ministra britânica, a relevância do setor do turismo vai ser maior depois de o Reino Unido abandonar o bloco.

Theresa May acrescentou que as iniciativas em causa visam fazer com que seja mais fácil para o turista visitar mais do que Londres e experimentar todas as atrações que o Reino Unido tem para oferecer.

O Governo da primeira-ministra Theresa May indicou que pretende invocar o artigo 50.º do Tratado de Lisboa no início de 2017.

O recurso a este artigo dá início a um período de negociações de dois anos, ao fim dos quais o país em causa abandona a União.

Lusa

  • Trump autoproclama-se "Mister Brexit"

    Brexit

    O candidato republicano à Casa Branca Donald Trump autoproclamou-se esta quinta-feira de "Mister Brexit", depois de aparecer num comício nos Estados Unidos com o eurodeputado Nigel Farage, que liderou a campanha do Reino Unido para abandonar a União Europeia.

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.