sicnot

Perfil

Camilo de Oliveira 1924-2016

Camilo de Oliveira 1924-2016

Camilo de Oliveira 1924-2016

Funeral de Camilo de Oliveira realiza-se hoje

A cerimónia de cremação do ator Camilo de Oliveira, que faleceu no passado sábado, aos 91 anos, realiza-se hoje, no cemitério do Alto de S. João, em Lisboa.

A missa de corpo presente tem início, hoje, às 10:00, na Basílica da Estrela, seguindo-se o funeral para o cemitério do Alto de São João, em Lisboa.

O ator Camilo de Oliveira contava uma carreira de quase 70 anos, no teatro, na televisão e também no cinema, tendo-se destacado na comédia e no teatro de revista.

Camilo de Oliveira nasceu a 23 de julho de 1924, em Buarcos, próximo da Figueira da Foz, curiosamente num camarote, durante uma digressão da Companhia de Teatro Rentini, onde atuavam os seus pais. Aos cinco anos subiu ao palco pela primeira vez, mas a estreia profissional deu-se quando tinha 15 anos.

O ator fez parte de diversas companhias e atuou em vários palcos, designadamente nos teatros ABC, Maria Vitória e Variedades, no Parque Mayer, em Lisboa, no extinto Monumental, também na capital, e no Sá da Bandeira, no Porto, entre outros.

Nestas décadas dedicadas ao riso, Camilo de Oliveira trabalhou muitas vezes em parceria, com atores como Ivone Silva, Io Appolloni, Aida Batista e Florbela Queiroz, Nuno Melo e António Feio, Heitor Lourenço, Maria Emília Correia ou Paula Marcelo, a sua última mulher, tendo criado personagens como Agostinho, o inspetor de alfândega, ou o Padre Pimentinha.

Com Ivone Silva protagonizou, aliás, um dos pares de maior sucesso da televisão, "Os Agostinhos", no programa "Sabadabadú", em 1981, na RTP, que mereceu uma Rosa de Prata no Festival de Montreux, em 1982.

Entre os seus sucessos, o ator realçava a comédia em dois atos "Um coronel", de Jean-Jacques Bricaire e Maurice Lasaygues, no Teatro Variedades, em Lisboa, em que contracenou com Alina Vaz, Francisco Nicholson, António Feio, Paula Marcelo, entre outros.

No cinema participou em "O homem do dia" (1958) e "O ladrão de quem se fala" (1969), ambos de Henrique Campos.

"Abaixo as saias" (1958), "Ó pá, não fiques calado" (1963), "Sopa no mel" (1965), "Duas pernas e um milhão" (1967), "Alto lá com elas" (1970), "As coisas que um padre faz" (1976), "Aldeia da roupa suja" (1978), "Há mas são verdes" (1983), "Isto é que vai uma crise" (1992), "Camilo & Filhas" (1996), "O padre Camilo" (2003) e "O meu rapaz é rapariga" (2008) foram alguns dos seus sucessos.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.