sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

BE pede ao Governo auditoria forense a créditos de alto risco da CGD

A porta-voz do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, incentivou hoje o Governo a promover uma auditoria forense aos créditos de alto risco da Caixa Geral de Depósitos (CGD), com o primeiro-ministro a garantir que tal proposta será ponderada.

"O Governo deve promover uma auditoria forense aos créditos de alto risco da CGD e partilhar os resultados com o parlamento e o Ministério Público", vincou esta tarde Catarina Martins, que se dirigia ao chefe do executivo, António Costa, num debate quinzenal na Assembleia da República marcado pelo tema CGD.

Na resposta, o primeiro-ministro foi sintético: "Iremos ponderar a sua sugestão", vincou António Costa.

Dirigindo-se ao PSD, que antes havia anunciado a imposição de uma comissão de inquérito parlamentar para "apurar responsabilidades de governos e de administrações" em relação à CGD, a porta-voz do Bloco diz que esta comissão não tem de ser potestativa e limitada no seu objeto.

"Se querem uma comissão parlamentar de inquérito para investigar tudo, não tem de ser potestativa. O BE não se oporá a ela com certeza", declarou a bloquista, temendo que a imposição social-democrata da comissão canalize o objeto dos trabalhos da mesma apenas num sentido.

"Isto do PSD querer uma comissão de inquérito só sua, sabemos bem o que pode querer dizer", prosseguiu.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.