sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

Ministro defende que CGD tem de estar ao serviço da economia portuguesa

O ministro das Finanças, Mário Centeno, defendeu hoje que a Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem de passar a estar ao serviço da economia portuguesa, considerando que o banco tem de continuar a ser público.

JOAO RELVAS / LUSA

"É um banco público, que terá de permanecer público, e que o Governo quer que continue a ser público. Mas é um banco tem de ser um banco, que tem de ser posto ao serviço da economia portuguesa. É esse o plano que o Governo tem", afirmou hoje Mário Centeno.

O ministro respondia a questões sobre a recapitalização da CGD colocadas num almoço-debate promovido pelo Fórum de Administradores de Empresas, que decorreu esta tarde em Lisboa.

Sem avançar valores para a recapitalização do banco, o governante disse que a recapitalização da CGD tem de ser "decisivamente decidida" para estabilizar o sistema financeiro, acrescentando que o Governo está a trabalhar com o Banco Central Europeu e com a Comissão Europeia.

"É um projeto nacional, não é partidário, não é apenas do Governo. Como é aliás o desígnio de pôr Portugal a crescer", disse.

Anteriormente, no seu discurso, Mário Centeno tinha admitido que a estabilização do sistema financeiro é um dos constrangimentos para a economia portuguesa, um problema que, acrescentou depois, "só se consegue estabilizar com tempo, paciência e ação".

Entre os restantes problemas identificados pelo ministro está a falta de capitalização das empresas, afirmando que será feito um esforço de reforço de capital dessas empresas, que passará pelo lançamento de instrumentos financeiros através de fundos europeus, direcionados a medidas de que a economia portuguesa necessita.

No seu discurso, o ministro aproveitou ainda para reiterar a meta do Governo para o défice deste ano. "O rigor tem sido tarefa diária deste Governo. Os números da execução orçamental confirmam o que é uma enorme preocupação deste Governo na obtenção desta meta oficial para o país", disse.

"Os números do primeiro trimestre e até maio que são conhecidos permitem-nos confiança nas metas orçamentais a que nos propomos (...). A obtenção de um nível do défice tão exigente como o que está no programa orçamental é neste momento possível, os dados apontam nessa direção", sublinhou Mário Centeno.

Lusa

  • Injeção de dinheiro do Estado na CGD em debate no Parlamento
    2:12

    Caso CGD

    A recapitalização da Caixa Geral de Depósitos é ser o tema forte do debate quinzenal no Parlamento. A esquerda não aceita os despedimentos e a direita quer saber o que é que correu mal. O primeiro-ministro deverá explicar em que pé estão as negociações com Bruxelas. António Costa garantia ontem que está quase tudo fechado e o Presidente da República apela a um entendimento entre os partidos do "arco do poder".

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15