sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

PSD chama 43 personalidades depois de audições de Centeno, governador e José de Matos

O PSD quer ouvir 43 pessoas e entidades na comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD) depois de escutados - este mês - o ministro das Finanças, o governador do Banco de Portugal (BdP) e o ainda presidente do banco.

No requerimento hoje entregue na comissão de inquérito, e apresentado aos jornalistas pelo coordenador do PSD nos trabalhos, Hugo Soares, são listadas as 43 pessoas e entidades a ouvir após as audições do ministro Mário Centeno, do governador Carlos Costa e do gestor José de Matos.

"Chamamos todos, sem exceção, os ministros das Finanças que tiveram a tutela da CGD" desde o ano 2000, vincou Hugo Soares: nesta matéria em concreto, são chamados ao parlamento Guilherme de Oliveira Martins, Manuela Ferreira Leite, Bagão Félix, Campos e Cunha, Teixeira dos Santos, Vítor Gaspar, Maria Luís Albuquerque e Mário Centeno.

São também chamados pelos sociais-democratas vários ex-presidente da CGD, administradores executivos da entidade, membros das direções centrais do banco e auditores externos, por exemplo.

Do banco central, o PSD quer ouvir, para além do governador, os vice-governadores Pedro Duarte Neves e José Berberan Ramalho bem como o antigo governador Vítor Constâncio.

"Não deixamos ninguém de fora daqueles que queremos ouvir. Não olhamos a partidos políticos, a questões politicas, fomos verdadeiramente transparentes e claros nos requerimentos que fizemos", advogou Hugo Soares, vice-presidente da bancada do PSD e coordenador "laranja" na comissão de inquérito.

O PSD apresentou também um outro requerimento pedindo acesso a documentação vária de apoio aos trabalhos e um outro texto pedindo uma auditoria externa e independente à CGD, que avalie, por exemplo, as "efetivas necessidades de capital e de injeção de fundos públicos".

A comissão de inquérito à Caixa, potestativa e pedida por deputados de PSD e CDS-PP, reúne-se na sexta-feira no parlamento.

Lusa

  • Autarca e duas jornalistas mortas a tiro na Finlândia 

    Mundo

    A presidente da Câmara de Imatra, na Finlândia, e duas jornalistas foram mortas a tiro na noite passada, na pequena cidade do sudeste do país. O incidente aconteceu junto a um restaurante e a polícia chegou ao local pouco depois dos disparos. Um suspeito de 23 anos já foi detido.

    Em desenvolvimento

  • Avião da Qatar Airways aterra de emergência nas Lages
    0:47

    País

    Aterrou de emergência nos Açores, esta manhã, um avião da Qatar Airways. A turbulência obrigou à manobra que causou pelo menos 10 feridos nos passageiro do avião que fazia ligação de Washington para Doha, capital do Qatar, e foi desviado para a base aérea das Lajes. Os passageiros desembarcaram, como registou no Twiiter um jornalista da Al-Jazzera que seguia a bordo. Segundo este depoimento, uma pessoa foi levada para o hospital com problemas cardíacos.

  • Passos elogia escolha de Paulo Macedo mas diz que não é suficiente
    1:47

    Caso CGD

    Pedro Passos Coelho diz que Paulo Macedo é competente para liderar os destinos da Caixa Geral de Depósitos, mas que a nomeação do antigo ministro não é suficiente para passar uma esponja sobre o assunto. Em Viseu, o líder do PSD não quis ainda avançar com um nome para a Câmara de Lisboa, depois de Santana Lopes afastar a hipótese de se candidatar.

  • O novo coala do zoo de Lisboa
    3:10

    País

    A SIC acompanhou em exclusivo a transferência de uma coala da Alemanha para o Zoo de Lisboa. O animal veio de avião e foi batizado pelos passageiros que seguiam a bordo. Ficou com o nome de Goolara. O coala é uma fêmea, com quase dois anos, e veio para aumentar a família da mesma espécie em Portugal.

  • Jovens do exército russo aderem ao Desafio do Manequim
    1:01

    Mundo

    Na Rússia, o grupo de jovens do exército também já aderiu ao famoso Mannequin Challenge. O vídeo foi divulgado pelo Ministério da Defesa russo. O objetivo é mostrar o dia-a-dia do chamado exército de jovens, cuja principal missão passa por sensibilizar os russos para a necessidade de cumprir o serviço militar obrigatório.