sicnot

Perfil

Caso CGD

José de Matos explica prejuízos da CGD com limpeza e exigências regulatórias

Presidente da CGD diz que valor da recapitalização fica abaixo dos valores já falados

O presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD), José de Matos, disse hoje no parlamento que a limpeza do balanço e as maiores exigências de capital por parte dos reguladores explicam os prejuízos acumulados pelo banco público nos últimos anos.

O gestor abordou as questões por trás dos resultados líquidos negativos da CGD e disse que "a limpeza de balanço foi acompanhada por uma radical reorganização da área de crédito a empresas e particulares" e "a esta limpeza vieram juntar-se o aumento dos requisitos de capital".

Segundo José de Matos, "através da implementação do programa de reestruturação a CGD conseguiu mitigar parte relevante dos desvios de capitais", especificando que a palavra 'desvios' devia ser entendida única e exclusivamente como a diferença para os novos rácios de capital.

O líder da CGD sublinhou que a administração foi implementando "medidas adicionais para melhorar a sua eficiência e rentabilidade", admitindo, contudo, que estas "não foram suficientes para responder aos requisitos de capital".

De resto, José de Matos vincou que "a CGD cumpriu permanentemente todas as exigências em matéria de capital e de liquidez" e também "cumpriu integralmente as exigências que o memorando de entendimento do programa de assistência internacional previa para a instituição", entre as quais a alienação de ativos não estratégicos e da área seguradora.

Sobre o reforço de capital feito em 2012, que resultou da injeção de 750 milhões de euros em capital e da subscrição de 900 milhões de euros em obrigações convertíveis (CoCo) feitas pelo acionista Estado, o gestor vincou que, "em termos relativos, a capitalização da Caixa em 2012 foi a mais baixa do sistema bancário português e uma das mais baixas de toda a Europa".


Lusa

  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bastidores do sambódromo: um espétaculo à parte
    3:22
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.