sicnot

Perfil

Caso CGD

Caso CGD

Caso CGD

CGD gastou 20M€ no 1º semestre no programa de reformas antecipadas

A Caixa Geral de Depósitos gastou, no primeiro semestre, 20 milhões de euros no Plano Horizonte, para saída de trabalhadores através de reformas antecipadas, apesar de as contas esta quarta-feira divulgadas não revelarem quantos colaboradores saíram até junho.

Segundo o comunicado hoje divulgado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), nos primeiros seis meses do ano, os custos com pessoal caíram 0,7% em termos homólogos para 374,5 milhões de euros.

No entanto, diz o banco público, essa redução seria ainda maior - de 6% - se fossem excluídos os gastos com o Plano Horizonte, que ascenderam a 20 milhões de euros.

No entanto, a CGD não divulga nem as saídas de trabalhadores em reformas antecipadas nem o total de funcionários que tinha no final do primeiro semestre, pelo que não é possível comparar para saber quantos rescindiram.

O Plano Horizonte foi lançado em 2015 com vista à saída de trabalhadores por reformas antecipadas e o objetivo é que seja fechado este ano.

Só no ano de 2015 saíram da operação em Portugal 514 pessoas, com a 'fatia de leão' dos trabalhadores a ser referente ao Plano Horizonte.

Em fevereiro, o presidente executivo da CGD, José de Matos, disse aos jornalistas que, além dos mais de 300 trabalhadores que saíram em 2015 ao abrigo daquele plano, em 2016 ainda podiam sair ainda mais 700 no mesmo âmbito.

Quando apresentou os resultados do primeiro trimestre, a CGD revelou a saída de 103 colaboradores.

A CGD está em reestruturação e tem vindo a reduzir funcionários, tal como a maioria dos bancos, tendo o Governo já dito aos sindicatos que a redução de efetivos é para continuar e que entre 2017 e 2020 deverão ser cortados mais 2.500 postos de trabalho, através de reformas e rescisões antecipadas.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as várias as fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto por mostrar, de forma crua, as consequências das chamas. A foto é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.