sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Ano 2015: o mais quente de todo o sempre

O ano de 2015 está na iminência de se tornar no ano mais quente alguma vez registado, revelou hoje a agência da ONU para as alterações climáticas (OMM). O mês de outubro já foi classificado como o mais quente da história desde que se começaram a recolher dados meteorológicos em 1880.

© Ronen Zvulun / Reuters

"A tendência que se regista em 2015 deixa supor que este ano será o mais quente jamais registado", revela a OMM, uma vez que os primeiros 10 meses de 2015 foram os mais quentes de sempre.

No relatório divulgado a uma semana da Cimeira do Clima em Paris, a OMM indica igualmente que "os anos de 2011 a 2015 representam o período de cinco anos mais quente jamais registado, tendo sido influenciados pelas alterações climáticas numerosos fenómenos meteorológicos extremos -- em particular as vagas de calor".

"O estado do clima mundial em 2015 ficará como referência por uma série de razões", declarou o secretário-geral da OMM, Michel Jarraud.

Precisou que, além da questão da temperatura média à superfície, "as concentrações de gás com efeito de estufa na atmosfera atingiram novos picos: na primavera boreal de 2015, pela primeira vez, o teor de CO2 na atmosfera ultrapassou as 400 partes por milhão numa média mundial".

Considerando tratar-se de "notícias tristes" para o planeta, Jarraud assinalou que "é possível limitar as emissões de gases com efeito de estufa, que estão na origem das alterações climáticas".

"Dispomos do conhecimento e dos instrumentos necessários para agir. Temos escolha, o que não será o caso das gerações futuras", adiantou.

  • Queda de avioneta em Espanha causa 4 mortos

    Mundo

    Uma avioneta com destino a Cascais, em que seguia uma família de quatro pessoas - dois adultos e dois menores - caiu em Sotillo de las Palomas, em Toledo, Espanha.

    Em desenvolvimento

  • Mais de 50 milhões de italianos decidem futuro do país
    1:43

    Mundo

    Este domingo, está nas mãos de mais de 50 milhões de eleitores italianos o futuro do país. Mais do que um voto à reforma constitucional, o referendo terá consequências políticas diretas no Governo italiano. As urnas fecham às 23h00, 22h00 em Lisboa. Os primeiros resultados são esperados meia hora depois.