sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Impacto de mais 0,5ºC no planeta muito maior que o que se pensava

Uma diferença na temperatura de 0,5ºC é pouco notória no dia-a-dia, mas entre 1,5ºC e 2ºC na temperatura global do planeta é uma mudança enorme.

Um graffiti de um peixe morto desenhado numa das zonas do reservatório Jaquari, em São Paulo. A seca têm afetado intensamente a região brasileira.

Um graffiti de um peixe morto desenhado numa das zonas do reservatório Jaquari, em São Paulo. A seca têm afetado intensamente a região brasileira.

© STRINGER Brazil / Reuters

Ondas de calor mais prolongadas, maiores secas, menos áreas e produções agrícolas, mais recifes de coral em perigo, são "apenas" algumas das consequências do aumento da temperatura provocada pelas alterações climáticas, revela uma extensa investigação na Alemanha.

O Acordo de Paris contra as alterações climáticas, concluído em dezembro com o consenso de 195 países mais a União Europeia, tem como principal objetivo a manutenção da subida da temperatura média abaixo dos 2ºC. Mas muitos cientistas defendem que deveria ser 1,5ºC em relação à era pré-industrial.

A verdade é que os anos de 2014 e 2015 bateram recordes de temperaturas elevadas, com os primeiros meses de 2016 a registar os valores mais elevados em relação aos mesmos meses de anos anteriores. Em fevereiro, a temperatura global foi 1,34ºC acima da média 1951-1980, segundo dados da NASA.

O principal autor do novo estudo, publicado na revista Earth System Dynamics, Carl Schleussner do Climate Analytics na Alemanha, explicou: "analisámos os modelos usados pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas [da ONU]. Tivémos em conta 11 indicadores desde eventos climáticos extremos, acesso a água, áreas de cultivo, degradação dos corais e aumento do nível do mar. Encontrámos diferenças significativas [entre um aumento de 1,5ºC ou de 2ºC] nos impactos".

Assim, 0,5ºC é a diferença entre um valor limite de calor atual para todo um novo regime climático; uma seca com um aumento de 7% ou de 11%; um aumento do nível do mar em 10 cm no cenário mais quente; água perdida, por exemplo no Mediterrâneo, em 9% com um aumento de temperatura de 1,5ºC ,as de 17%, com um aumento de 2ºC.

  • Fevereiro mais quente desde que há registo
    1:02

    Mundo

    As temperaturas do planeta continuam a bater recordes. O mês de fevereiro foi o mais quente desde que há registo. Os dados foram divulgados pela NASA, e mostram que a temperatura da Terra subiu em média 1,35 graus centígrados. Estes recordes não são novidade, visto que 2015 foi o ano mais quente de sempre. Os ambientalistas garantem que estas temperaturas são um alerta para as alterações climáticas.

  • Coreia do Norte lança novo míssil balístico

    Mundo

    O Pentágono detetou esta sexta-feira mais um lançamento de um míssil balístico por parte da Coreia do Norte. O primeiro-ministro japonês já confirmou o lançamento, que terá atingido a zona económica exclusiva, no Mar do Japão.

  • Menino perdido na Praia da Luz foi levado à GNR por turista
    1:11

    País

    Um menino inglês, de sete anos, esteve desaparecido na quinta-feira na Praia da Luz, no Algarve, depois de se ter perdido dos pais. A GNR colocou duas equipas de investigação no local, mas ao fim de uma hora e meia o rapaz apareceu na esquadra de Lagos acompanhado por um turista a quem terá pedido ajuda.

  • Mais viagens mas menos turistas de Portugal
    1:22

    País

    Os residentes em Portugal - sejam portugueses ou estrangeiros - realizaram quatro milhões de viagens turísticas, só no primeiro trimestre do ano. Um aumento de mais de 6% nas viagens dentro do país face ao período homólogo e de mais de 15% nas viagens para fora, de avião. O estudo é do INE, o Instituto Nacional de Estatística, que permite fazer o retrato mais claro de quem viaja e porquê.

  • Algarve sozinho gera metade dos bens transacionáveis em Portugal
    4:14

    SIC 25 Anos

    O Algarve quase não tem indústria e os especialistas consideram que é excessivamente dependente do turismo. Ainda assim, sozinho contribui com metade do que Portugal gera em bens transacionáveis. A região tem problemas graves, como a falta de médicos e um custo de vida muito alto, mas continua a atrair a maior parte dos turistas e muitos estrangeiros decidem mesmo escolher a região para viver.