sicnot

Perfil

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Cimeira do Clima

Portugal quer ratificar acordo de Paris para o clima em abril de 2017

O ministro do Ambiente disse hoje que Portugal vai iniciar rapidamente o processo de ratificação do acordo de Paris contra as alterações climáticas, que passa pela Assembleia da República, para que possa ser concretizado dentro de um ano.

M\303\201RIO CRUZ

A ratificação é "um processo complexo que demora cerca de seis a nove meses e Portugal dará muito depressa início" aos procedimentos necessários para "garantir que no dia 23 de abril de 2017 está tudo em condições para que o acordo possa ser ratificado", disse à agência João Matos Fernandes.

O governante vai estar em Nova Iorque, na sexta-feira, para assinar o acordo de Paris, concluído em dezembro, com o consenso de 195 países mais a União Europeia, numa cerimónia que marca o início do período de assinaturas que se prolonga por um ano.

João Matos Fernandes defendeu que Portugal está preparado para cumprir as principais decisões do acordo contra as alterações do clima, nomeadamente em termos de redução de emissões de gases com efeito de estufa, deixando de utilizar energias fósseis em 2050.

"Portugal assumiu o compromisso, como os outros países, de deixar de utilizar combustíveis de origem fóssil, e parece que falta muito tempo, mas não falta pouco, por isso, temos de intensificar aquilo que são as nossas políticas e sobretudo as nossas práticas", realçou o ministro do Ambiente.

Mas, "tudo concorre para que Portugal honre o seu compromisso e em 2050 deixe de utilizar combustíveis de origem fóssil", assegurou.

João Matos Fernandes referiu que o país "fez um trabalho muito interessante no domínio da redução dos gases que provocam efeitos de estufa, tanto na indústria como na produção de energia" e vai continuar essa tarefa para ser coerente com os esforços realizados desde o protocolo de Quioto, na década de 90.

No entanto, "há áreas onde temos de aumentar a nossa ambição, [como] nos setores que provocam poluição difusa", reconheceu, acrescentando que "o caso dos transportes, [da área] residencial e dos serviços são casos muito claros onde as metas são muito ambiciosas".

No setor dos transportes, a redução de emissões está fixada em 26%, até 2030 e, segundo o governante, "há um trabalho grande a ser feito, privilegiando os modos suaves, o transporte coletivo e a mobilidade elétrica".

Salientou, no entanto, o empenho do Governo e as medidas já apresentadas na área dos transportes e o facto de o plano nacional de combate às alterações climáticas já elevar as metas, por exemplo, relativamente aos setores difusos para 2020.

A União Europeia (UE) permite a Portugal aumentar relativamente a 2005 as emissões em 1%, mas aquilo que o governo pretende na globalidade é reduzir em 15%, um compromisso apresentado pelo pais na conferência de Paris (COP21).

"Há um evidente e fortíssimo compromisso de todas as partes para que se cumpra Paris com a enorme importância que isso tem para podermos atacar" o mais complexo dos problemas ambientais do planeta - o aquecimento global -, e para "termos a certeza de que vamos conseguir inverter o processo de degradação do cuidado do clima que nos trouxe até aqui", salientou o governante.

Lusa

  • Mais de 120 países declararam intenção de assinar acordo de Paris

    Cimeira do Clima

    Mais de 120 países já expressaram a sua disponibilidade para assinar o acordo da Organização das Nações Unidas de combate às alterações climáticas, afirmou a ministra da Ecologia francesa, Segolene Royal, na quarta-feira. A ministra disse que a força do apoio significa que o acordo alcançado em Paris, em dezembro do ano passado, pode ser ratificado em Nova Iorque, a 22 de abril.

  • Ministro garante política clara para reduzir de efeito de estufa
    2:32

    Cimeira do Clima

    O ministro do Ambiente diz que Portugal está confortável com o acordo assumido na Cimeira do Clima de Paris, e que agora vai ser iniciada uma política clara para a redução dos gases de feito de estufa. As declarações de João Matos Fernandes foram feitas esta manhã, durante um debate no Parlamento, pedido pelo partido Os Verdes.

  • Como reduzir as emissões de gases com efeito de estufa

    Infografias

    O efeito de estufa é um fenómeno global muito importante para a existência de vida, como a conhecemos, no Planeta Terra. Se a atmosfera terrestre não tivesse na sua composição gases com efeito de estufa (GEE), a Terra teria uma temperatura média muito mais baixa (cerca de -20°C). Estes gases funcionam como uma espécie de "cobertor" que envolve a Terra, mantendo uma temperatura amena (cerca de 15°C em média) à superfície. Ora, o aumento de concentração de GEE vai exacerbar o efeito de estufa e aumentar a temperatura média global. Há uma série de gases com efeito de estufa, como o Dióxido de carbono (CO2), o Metano (CH4) e o Óxido nitroso (N2O).

  • O Acordo de Paris e uma história que tem de ser contada

    Carla Castelo

    Há aspetos positivos e negativos no Acordo de Paris. Juridicamente vinculativo, mas com compromissos voluntários de redução de emissões revistos a cada 5 anos, o acordo junta pela primeira vez todos os países, desenvolvidos, em desenvolvimento e emergentes, num esforço comum mas diferenciado para conter o aumento da temperatura bem abaixo dos 2ºC, se possível 1,5ºC. Mas nesta história há que contar outra, ainda maior.

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.