sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Capitão da embarcação que naufragou domingo acusado de homicídio voluntário

O capitão tunisino da embarcação que naufragou domingo no Mediterrâneo foi acusado de homicídio voluntário, avançaram as autoridades italianas. Um outro elemento da tripulação, um cidadão sírio que também sobreviveu ao naufrágio, foi acusado de auxílio à imigração ilegal. As autoridades italianas referiram que o pior desastre com migrantes no Mediterrâneo, que causou 800 mortos, se deveu a erros do capitão e à sobrelotação da embarcação. 

O capitão da embarcação, Mohammed Ali Malek (à esquerda), e o assistente sírio Mahmud Bikhit (EPA)

O capitão da embarcação, Mohammed Ali Malek (à esquerda), e o assistente sírio Mahmud Bikhit (EPA)

ALESSANDRO DI MEO/ EPA

Depois de falar com os sobreviventes do desastre, a ONU confirmou que 800 imigrantes morreram no naufrágio da traineira que afundou no domingo.

 

A procuradoria da Catânia (Sicília) disse que a embarcação colidiu com um cargueiro de bandeira portuguesa que a veio socorrer antes de se virar, mas absolveu a tripulação do navio mercante de qualquer responsabilidade na tragédia.

 

Considerou que a embarcação se virou depois da colisão devido a erros de manobra do capitão e a movimentos de pânico das centenas de migrantes que ocupavam a antiga traineira com 20 metros.

 

O capitão da embarcação, o tunisino Mohammed Ali Malek, de 27 anos, foi detido por suspeita de assassínio múltiplo, de ter causado um naufrágio e de apoiar a imigração ilegal.

 

O tripulante sírio Mahmud Bikhit, de 25, também foi detido por suspeita de apoio à imigração ilegal.

 

De acordo com o jornal britânico The Guardian, o capitão tunisino e o assistente sírio pertenciam a uma rede de tráfico humano responsável pela organização da viagem que tinha como destino Itália.

 

Para além destes dois elementos da tripulação, sobreviveram apenas 26 imigrantes que depois de terem sido ouvidos e identificados saíram em liberdade.

A bordo da embarcação seguia cidadãos provenientes da Síria, Eritreia, Somália, Mali, Serra Leoa e Senegal.

 

Com Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.