sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mais de 1.200 migrantes desembarcaram hoje na Sicília

Mais de 1.200 migrantes, a maioria da África subsariana e da Síria, chegaram hoje à Sicília, depois de terem sido socorridos no Mediterrâneo, anunciou a guarda costeira italiana.

© Antonio Parrinello / Reuters

A maior parte dos migrantes - incluindo 133 mulheres e 27 crianças -- chegaram a Palermo depois de terem sido salvos na costa líbia pelo barco norueguês 'Siem Pilot', que faz parte de uma operação voluntária de reforço da segurança das fronteiras europeias.

Outros 468 foram levados para a cidade siciliana de Pozzallo pelo navio de patrulha irlandês 'Le Niamh'.

A Itália e a Grécia estão a enfrentar um aumento massivo de migrantes, que fogem de conflitos e da pobreza em África e no Médio Oriente.

Mais de 1.900 migrantes morreram este ano ao fazerem a perigosa travessia para a Europa através do Mediterrâneo, enquanto 150 mil pessoas devem ter conseguido atravessar, disse este mês a Organização Internacional para as Migrações.

Lusa

  • Será que lavar em lavandarias self-service compensa?
    8:21
  • "Não se pode voltar atrás, o povo de Deus confirmou a necessidade deste Papa"
    3:15
  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Depois de dar a volta (de bicicleta de Lisboa a Setúbal)

    País

    Missão cumprida. A SIC foi dar uma volta de bicicleta, acompanhando a primeira etapa de uma iniciativa que pretende impulsionar o uso dos velocípedes no país. Ao longo desta quarta-feira, publicámos vários vídeos em direto na página de Facebook da SIC Notícias, que aqui reunimos, em jeito de balanço.

    Ricardo Rosa

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.