sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

França e Reino Unido vão assinar acordo de cooperação sobre migração em Calais

O Governo francês anunciou esta terça-feira que Paris e Londres vão assinar na próxima quinta-feira um acordo de cooperação que vai incidir na gestão da crise migratória na localidade francesa de Calais (norte).

O acordo franco-britânico prevê medidas que "reforçam o dispositivo humanitário desenvolvido no local com associações e as autoridades locais, em particular para a proteção das pessoas mais vulneráveis".

O acordo franco-britânico prevê medidas que "reforçam o dispositivo humanitário desenvolvido no local com associações e as autoridades locais, em particular para a proteção das pessoas mais vulneráveis".

© Juan Medina / Reuters

O acordo vai ser assinado em Calais pelo ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, e a sua homóloga britânica, Theresa May.

Segundo um comunicado do Ministério do Interior francês, este acordo de cooperação pretende "reforçar, por um lado, o compromisso comum de segurança da zona [de Calais], a luta conjunta e resoluta contra as redes criminosas de 'passadores', de traficantes de seres humanos e de imigração clandestina".

O acordo franco-britânico também prevê medidas que "reforçam o dispositivo humanitário desenvolvido no local com associações e as autoridades locais, em particular para a proteção das pessoas mais vulneráveis".

No mesmo dia da assinatura, Bernard Cazeneuve e Theresa May vão reunir-se com associações humanitárias presentes em Calais e com as autoridades locais.

Milhares de migrantes chegam a Calais, ponto de partida dos ferries para Inglaterra e do túnel sob o canal da Mancha (Eurotúnel), para tentar entrar no Reino Unido, cujas fronteiras estão encerradas.

Algumas destas incursões acabam por ser mortais para os migrantes.

No início de agosto, o Reino Unido comprometeu-se a reforçar com 10 milhões de euros um fundo criado em setembro de 2014 para a segurança do porto de Calais. Inicialmente, as autoridades britânicas canalizaram para este fundo 15 milhões de euros, distribuídos por um período de três anos.

Na quinta-feira, os ministros vão igualmente visitar as instalações do Eurotúnel, onde o dispositivo de segurança foi reforçado ao longo das últimas semanas para tentar dissuadir as incursões dos migrantes.

Segundo a empresa que gere o Eurotúnel, o número de tentativas de travessia diminuiu significativamente nas últimas noites, registando uma média entre 100 a 200, muito aquém dos 1.700 migrantes que foram intercetados no passado dia 03 de agosto.

Após a passagem por Calais, Bernard Cazeneuve segue depois para Berlim, onde terá uma reunião com o seu homólogo alemão Thomas de Maizière para discutir as políticas migratórias na Europa, acrescentou a mesma nota informativa do ministério francês.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.