sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Presidente polaco tem medo que refugiados sejam portadores de doenças

O Presidente conservador da Polónia, Andrzej Duda, receia que os migrantes possam ser portadores de epidemias, sublinhando que o governo "deve proteger os polacos".

"Se o governo está de acordo em relação ao acolhimento dos migrantes deve dizer se está disposto a fazer face a todas as circunstâncias, ou seja: se os polacos estão bem protegidos contra os riscos epidemiológicos", afirmou o chefe de Estado polaco. (Arquivo)

"Se o governo está de acordo em relação ao acolhimento dos migrantes deve dizer se está disposto a fazer face a todas as circunstâncias, ou seja: se os polacos estão bem protegidos contra os riscos epidemiológicos", afirmou o chefe de Estado polaco. (Arquivo)

© Ints Kalnins / Reuters

"Se o governo está de acordo em relação ao acolhimento dos migrantes deve dizer se está disposto a fazer face a todas as circunstâncias, ou seja: se os polacos estão bem protegidos contra os riscos epidemiológicos", afirmou hoje o chefe de Estado à estação de televisão polaca TVN24.

"A segurança dos cidadãos é a questão mais importante", disse Duda referindo-se "à segurança material, física e sanitária".

Na semana passada, Jaroslaw Kaczynski o líder do partido conservador e populista Direito e Justiça, de que faz parte o presidente Duda, falou de preocupações semelhantes.

Kaczynski referiu-se à epidemia de "cólera nas ilhas gregas" e "à disenteria em Viena", tendo sublinhado que os "migrantes podem vir a ser portadores de todo o tipo de parasitas".

"Entre eles (refugiados) os parasitas podem não ser perigosos, mas podem vir a ser perigosos para as populações locais", afirmou o dirigente do Partido do Direito e da Justiça.

As declarações de Kaczynski foram feitas junto a um centro de refugiados onde também exigiu que o Executivo centrista de Ewa Kopacz deve dizer como pretende "defender os polacos".

As declarações provocaram fortes críticas na imprensa e junto dos políticos polacos, que recusaram a "linguagem de ódio própria da propaganda nazi que acusava os judeus de serem portadores de tifo".

Apesar das reticências em relação ao acolhimento de refugiados - a maior parte refugiados sírios vítimas da guerra civil - a Polónia acabou por aceitar receber cinco mil das 120 mil pessoas que vão ser repartidas pelos 28 Estados membros da União Europeia.

A oposição, do partido de Jaroslaw Kaczynski, disse que a decisão do Executivo foi tomada "sem o consentimento dos polacos".

Lusa

  • Sessão solene no Parlamento e desfile popular nas comemorações do 25 de Abril

    País

    Os 43 anos da Revolução dos Cravos são hoje comemorados com a sessão solene no Parlamento e o tradicional desfile popular, tendo o Presidente da República escolhido o 25 de Abril para condecorar, a título póstumo, Francisco Sá Carneiro. A SIC Notícias acompanha esta manhã a sessão solene na Assembleia da República. Veja aqui em direto.

  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.