sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Ordem cria bolsa com cerca de 150 psicólogos para apoiar refugiados

Cerca de 150 psicólogos, formados em situações de crise e catástrofe, estão disponíveis, no imediato, para apoiar os refugiados que cheguem a Portugal, anunciou hoje o bastonário da Ordem dos Psicólogos.

STRINGER

Em declarações à agência Lusa, Telmo Mourinho Baptista explicou que estes psicólogos fazem parte de uma bolsa criada pela Ordem dos Psicólogos (OP) com o objetivo de formar mil profissionais na área da intervenção em situações de catástrofe.

"Já nos vínhamos preparando porque achámos que eram uma importante intervenção cívica por parte da Ordem para que aquelas pessoas, que já têm formação técnica e científica, estivessem preparadas caso fosse necessário", explicou o bastonário.

Acrescentou que, perante a atual crise humanitária, a Ordem pediu aos mais de 600 psicólogos que já têm a formação para que se disponibilizassem para uma possível intervenção numa situação de acolhimento de refugiados.

"Dentro desta bolsa já existente tivemos de imediato mais de 150 respostas. Significa que estas pessoas vão estar disponíveis para, no caso de ser necessário, [trabalharem] com as organizações que tenham necessidade", disse Telmo Mourinho Baptista.

O bastonário frisou que os refugiados são normalmente pessoas que passaram por situações profundamente traumáticas e que, por isso, as questões do trauma são aquelas que têm de ser discernidas em primeiro lugar para depois se poder atuar sobre elas.

"Mas há mais aspetos, como a desagregação da família, a perda das pessoas, o luto. Todas estas situações merecem ser identificadas para perceber qual a intervenção que tem de ser feita", sublinhou.

Por outro lado, apontou que é importante não esquecer que a partir do momento em que for feito o acolhimento das pessoas refugidas, é preciso pensar no processo de adaptação.

"Esse é um processo que se fará no tempo e para o qual também será necessário ter uma particular atenção dadas as diferenças que existem do ponto de vista da cultura ou da língua", salientou.

Telmo Mourinho Baptista disse que os psicólogos com formação e que se disponibilizaram estão dispersos por Portugal Continental e Regiões Autónomas.

De acordo com o bastonário, este apoio vai ser disponibilizado junto das autoridades nacionais responsáveis pelo acolhimento dos refugiados, nomeadamente o Alto Comissariado para as Migrações.

A bolsa de psicólogos vai ser apresentada quinta-feira de manhã, no decorrer da Conferência Europeia da Intervenção Psicológica em Situação de Crise, em Lisboa, e que junta profissionais de todo o mundo.

Na conferência vão ser debatidas linhas de intervenção psicológica em situações de catástrofe, indo ser criado um espaço de partilha de conhecimento, práticas, experiências e modelos teóricos que apoiem as intervenções psicológicas no contexto concreto de acolhimento de refugiados.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31