sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Ordem cria bolsa com cerca de 150 psicólogos para apoiar refugiados

Cerca de 150 psicólogos, formados em situações de crise e catástrofe, estão disponíveis, no imediato, para apoiar os refugiados que cheguem a Portugal, anunciou hoje o bastonário da Ordem dos Psicólogos.

STRINGER

Em declarações à agência Lusa, Telmo Mourinho Baptista explicou que estes psicólogos fazem parte de uma bolsa criada pela Ordem dos Psicólogos (OP) com o objetivo de formar mil profissionais na área da intervenção em situações de catástrofe.

"Já nos vínhamos preparando porque achámos que eram uma importante intervenção cívica por parte da Ordem para que aquelas pessoas, que já têm formação técnica e científica, estivessem preparadas caso fosse necessário", explicou o bastonário.

Acrescentou que, perante a atual crise humanitária, a Ordem pediu aos mais de 600 psicólogos que já têm a formação para que se disponibilizassem para uma possível intervenção numa situação de acolhimento de refugiados.

"Dentro desta bolsa já existente tivemos de imediato mais de 150 respostas. Significa que estas pessoas vão estar disponíveis para, no caso de ser necessário, [trabalharem] com as organizações que tenham necessidade", disse Telmo Mourinho Baptista.

O bastonário frisou que os refugiados são normalmente pessoas que passaram por situações profundamente traumáticas e que, por isso, as questões do trauma são aquelas que têm de ser discernidas em primeiro lugar para depois se poder atuar sobre elas.

"Mas há mais aspetos, como a desagregação da família, a perda das pessoas, o luto. Todas estas situações merecem ser identificadas para perceber qual a intervenção que tem de ser feita", sublinhou.

Por outro lado, apontou que é importante não esquecer que a partir do momento em que for feito o acolhimento das pessoas refugidas, é preciso pensar no processo de adaptação.

"Esse é um processo que se fará no tempo e para o qual também será necessário ter uma particular atenção dadas as diferenças que existem do ponto de vista da cultura ou da língua", salientou.

Telmo Mourinho Baptista disse que os psicólogos com formação e que se disponibilizaram estão dispersos por Portugal Continental e Regiões Autónomas.

De acordo com o bastonário, este apoio vai ser disponibilizado junto das autoridades nacionais responsáveis pelo acolhimento dos refugiados, nomeadamente o Alto Comissariado para as Migrações.

A bolsa de psicólogos vai ser apresentada quinta-feira de manhã, no decorrer da Conferência Europeia da Intervenção Psicológica em Situação de Crise, em Lisboa, e que junta profissionais de todo o mundo.

Na conferência vão ser debatidas linhas de intervenção psicológica em situações de catástrofe, indo ser criado um espaço de partilha de conhecimento, práticas, experiências e modelos teóricos que apoiem as intervenções psicológicas no contexto concreto de acolhimento de refugiados.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.