sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Particulares não vão acolher refugiados, mas podem ser mentores

O Alto-comissário para as Migrações afirmou hoje que os refugiados que vierem para Portugal não serão alojados em casas de famílias, apelando a quem queira ajudar que se inscreva como mentor, tal como já fizeram 400 portugueses.

© Yannis Behrakis / Reuters

"É importante as pessoas (...) não terem a expectativa de virem a receber refugiados em sua casa porque, de acordo com a estratégia do grupo de trabalho [da Agenda Europeia para as Migrações], a solução institucional responderá claramente a esta necessidade", disse Pedro Calado, em declarações à agência Lusa.

Segundo o responsável, foi criado um balcão único, através do site http://www.refugiados.acm.gov.pt, através do qual as instituições e os municípios se podem candidatar para acolher refugiados.

"Este é o balcão único e ao criar este site quisemos passar a mensagem clara que em Portugal quem tem autoridade para decidir dos processos de recolocação é o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e este grupo de trabalho", explicou Pedro Calado.

No entanto, apelou a quem queira ajudar no acolhimento e na integração dos refugiados para se inscrever como mentor, algo que pode ser feito através do site https://mentores.acm.gov.pt/home, tal como já fizeram 400 portugueses.

"Um mentor significa garantir que pelo menos uma vez, de quinze em quinze dias, tem algumas horas para estar com o refugiado", explicou o responsável, acrescentando que será feita uma correspondência entre oferta e procura e que a ajuda dos mentores pode ir desde o ensino da língua, à ajuda na procura de emprego ou servir de guia na descoberta da cidade para onde o refugiado vai viver.

Segundo Pedro Calado, com base em experiências anteriores, como por exemplo com os cidadãos kosovares, o acolhimento em casa de famílias "tem tudo para correr mal", sublinhando que é uma situação muito difícil de gerir a longo prazo, já que as famílias poderão permanecer na habitação por dois, quatro ou mais anos.

"Quisemos não replicar maus exemplos do passado", afirmou, garantindo que as pessoas que vão trabalhar no acolhimento aos refugiados vão ter formação.

De acordo com o responsável, o plano de acolhimento em Portugal tem três princípios fundamentais, que passa por uma lógica institucional, evitando "ao máximo" o acolhimento em casas particulares.

Tem também uma lógica de descentralização, tentando que os refugiados não fiquem concentrados nos grandes centros urbanos, mas que sejam integrados um pouco por todo o país e, por último, assenta no princípio do comunitarismo, em que se tenta que os refugiados sejam acolhidos "no espírito de consórcio local", isto é, não fica uma única entidade responsável por resolver todas as questões, mas mobilizam-se os parceiros locais para ajudar em conjunto.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.