sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Portugal contribuiu com 340 mil euros para combate à crise de refugiados

Portugal contribuiu até ao momento com ajudas financeiras de 340 mil euros no quadro do combate à crise de refugiados, segundo dados sobre os compromissos e ações dos Estados-membros, que Bruxelas passa a divulgar a partir de hoje.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Michaela Rehle / Reuters

Os presidentes da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e do Conselho Europeu, Donald Tusk, enviaram hoje uma carta a todas as capitais com um ponto da situação sobre a aplicação das medidas acordadas na União Europeia para enfrentar a crise de refugiados, e na qual instam os 28 a honrar as promessas feitas e a concretizar as medidas decididas, algo que ainda está longe de acontecer, segundo os dados agora divulgados, e que serão constantemente disponibilizados e atualizados "online".

A nível dos contributos financeiros, e desde a cimeira extraordinária sobre migrações celebrada a 23 de setembro, na qual foram acordados diversos compromissos, os 28 Estados-membros concretizaram apoios financeiros, em diversos domínios, no montante global de 515 milhões de euros, estando ainda "em falta" 2.284 milhões de euros, ou seja, a grande parte das promessas feitas, algo que tem vindo a ser insistentemente lembrado por Juncker.

De acordo com os dados do executivo comunitário, Portugal confirmou até ao momento 250 mil euros para o Fundo para a África, tendo sido um dos 10 Estados-membros a concretizar contributos para este instrumento, no total de 28,8 milhões de euros, verba ainda muito distante da desejada por Bruxelas (faltam 1,7 mil milhões de euros).

Sem ter ainda concretizado ajudas financeiras para o Fundo para Síria nem para o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, Portugal confirmou ainda 90 mil euros para o Programa Alimentar Mundial, tendo sido um dos 15 países a fazê-lo.

Ao nível de outros contributos para a resposta da UE à crise migratória, designadamente de meios para o mecanismo de emergência de recolocação de refugiados, Portugal respondeu com 12 agentes ao apelo da agência europeia de gestão de fronteiras (Frontex), que solicitou aos Estados-membros o envio de guardas-fronteiriços, já designou pontos de contacto nacional, oficiais de ligação em Itália e Grécia, e já tornou disponíveis 130 lugares para refugiados (faltando assim 2.951, com base na "quota" que lhe foi atribuída).

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31