sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Alemanha já registou quase um milhão de pedidos de asilo este ano

A Alemanha registou, em novembro, 206.101 requerentes de asilo, um novo recorde para o país que recebeu desde o início do ano 964.574 migrantes, anunciou hoje o ministério do Interior alemão.

Refugiados aguardam numa tenda em Berlim por autorizações.

Refugiados aguardam numa tenda em Berlim por autorizações.

© Fabrizio Bensch / Reuters

Em outubro, a Alemanha recebeu 181.166 migrantes, quando o número oficial total para o corrente ano era de 800 mil migrantes. Atualmente, as autoridades alemãs prevêem ultrapassar o milhão de requerentes de asilo até ao fim do ano.

Estes dados do ministério são obtidos através do sistema EASY alemão que conta os migrantes que deverão chegar ao país e pedir asilo, mas que ainda não o fizeram.

Os dados não precisam a nacionalidade dos migrantes. Em estatísticas anteriores, os sírios e os afegãos formavam o maior contingente, 88.640 e 31.000, respetivamente, em outubro.

Em comunicado, o ministério referiu que os procedimentos administrativos estão a demorar, em média, 2,9 meses para os nacionais do Kosovo e 14,9 meses para os paquistaneses.

Em média, os pedidos apresentados pelos sírios são tratados em 3,4 meses.

"A redução significativa da duração dos procedimentos" resulta da "prioridade dada" pelo Gabinete central dos refugiados (BAMF, sigla em alemão) aos pedidos de países considerados seguros, como os dos Balcãs - cujos naturais não têm qualquer possibilidade de obter autorização para ficar na Alemanha - e os países considerados como perigosos, como a Síria, explicou o ministério no comunicado.

Na passada semana, a ONU anunciou que o número de migrantes chegados à Europa pelo mar Mediterrâneo tinha descido mais de um terço em novembro, relativamente ao mês anterior, devido às condições climáticas e à luta contra os traficantes na Turquia.

De acordo com o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR), cerca de 140 mil migrantes e refugiados atravessaram o Mediterrâneo com destino à Europa em novembro, ou seja, menos 36,5% do que no mês de outubro (220.535).

A Alemanha, primeiro país de acolhimento na Europa, não deixou de sublinhar, pela voz da chanceler Angela Merkel, que os países da UE, muito reticentes no acolhimento de mais migrantes, têm o dever moral de receber refugiados da guerra ou da repressão.

Mas o governo agravou as medidas relativamente aos procedimentos nos casos de novos migrantes, para tentar reduzir as chegadas. A política de "porta aberta" de Merkel é cada vez mais criticada, sobretudo, no próprio partido.

Lusa

  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.