sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Polícia Marítima resgata e apoia 205 migrantes em dez horas de patrulha na Grécia

A Polícia Marítima portuguesa em missão na Grécia resgatou e apoiou 205 migrantes em dez horas de patrulha, elevando para 1.701 os refugiados e migrantes já resgatados, segundo um comunicado hoje divulgado.

© Yannis Behrakis / Reuters

Foram resgatadas 105 pessoas de duas embarcações que se encontravam em grandes dificuldades para realizar a travessia entre a Turquia e a ilha grega de Lesbos. Foram ainda apoiadas pela Polícia Marítima outras 100 pessoas de mais duas embarcações no mar Egeu.

Estes resgates e apoio a migrantes ocorreram na sexta-feira e foram hoje comunicados pela Autoridade Marítima Nacional.

"Após avaliadas as condições de flutuabilidade e navegação das quatro embarcações, as condições climatéricas e sobretudo as condições em que se encontravam todos os emigrantes e refugiados, a equipa da Polícia Marítima (PM) decidiu resgatar para o interior da embarcação Tejo todos os bebés, crianças, mulheres e alguns homens de duas embarcações", refere o comunicado da PM hoje divulgado.

As duas embarcações em que seguiam os migrantes eram "bastante fracas", sem capacidade para transportar todas as pessoas que seguiam a bordo e já se encontravam a meter água.

Os homens que não foram resgatados permaneceram nos respetivos botes, que foram rebocados em segurança até ao porto de Skala Sikamineas, na Grécia.

A equipa da Polícia Marítima apoiou ainda um bebé de um ano que corria o risco de entrar em hipotermina.

No porto onde desembarcaram todos os que seguiam nestas embarcações, encontravam-se equipas médicas de Organizações Não-Governamentais que deram apoio ao bebé e aos restantes migrantes.

As outras duas embarcações, com cerca de 50 pessoas a bordo em cada, foram escoltadas pela Polícia Marítima para garantir que todos chegavam em segurança à praia de Yeorgios e ao porto de Skala Sikamineas.

Até ao momento, a Polícia Marítima em missão na Grécia já resgatou 1.701 refugiados e migrantes, dos quais 374 bebés e crianças. A missão da PM no mar Egeu termina no dia 30 de setembro do próximo ano.

Lusa

  • "Sobre este pântano, não é possível jogar futebol seriamente na próxima época"
    4:46

    Opinião

    David Borges esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, da SIC Notícias, onde analisou as acusações do FC Porto ao Benfica, no caso dos e-mails. O comentador da SIC disse que falta saber se "tudo é verdade" e se os documentos são verdadeiros, o que compete ao Ministério Público apurar. David Borges defendeu ainda que era "bom" que a investigação decorresse de forma rápida e profunda; e não acredita que perante a polémica, se consiga jogar "futebol seriamente", na próxima época.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.