sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mulheres refugiadas no Libano vítimas de exploração e assédio sexual

As mulheres sírias refugiadas no Líbano, mais vulneráveis devido à queda da ajuda internacional e ao endurecimento das condições de acolhimento, são vítimas de exploração e assédio sexual, denunciou hoje a Amnistia Internacional.

 ministra do Desenvolvimento das Mulheres e da Criança da Índia, Maneka Gandhi

ministra do Desenvolvimento das Mulheres e da Criança da Índia, Maneka Gandhi

© Youssef Boudlal / Reuters

Em relatório publicado antes da conferência de dadores para a Síria, prevista para quinta-feira em Londres, a Amnistia apela à comunidade internacional para que aumente o seu apoio financeiro e faça mais esforços para realojar os refugiados sírios, que saíram do seu país em massa desde 2011.

Segundo a organização de defesa dos direitos humanos, 70% dos refugiados sírios no vizinho Líbano, cujo número ultrapassa o milhão, vivem abaixo do limite de pobreza definido no país.

Os refugiados que beneficiam de assistência estão confrontados com restrições severas, dado que os fundos dos dadores entregues à Organização das Nações Unidas estão aquém das necessidades.

Segundo a Amnistia, as mulheres refugiadas estão particularmente expostas à exploração. Muitas testemunharam o pagamento de remunerações extremamente baixas e exigência de alugueres de habitação exorbitantes. Algumas dizem-se vítimas de assédio sexual por parte dos seus patrões e até da polícia.

"Quer sejam mal pagas ou vivam em habitações sujas, mal isoladas e infestadas de ratos, a falta de estabilidade financeira provoca imensas dificuldades às mulheres refugiadas e encoraja as pessoas em situação de força a abusar delas", denunciou Kathryn Ramsay, investigadora da Amnistia.

O reforço das restrições no Líbano impede que numerosos refugiados renovem a autorização de residência, o que os coloca em situação de ilegalidade e a não se queixarem das situações de abuso, adiantou a organização.

O Líbano confronta-se com um afluxo massivo de refugiados, que já representam um quarto da sua população de quatro milhões, e endureceu desde 2015 as condições de acolhimento para os sírios.

Lusa

  • "Nos últimos 14 anos alertámos que este dia iria voltar"
    3:50

    País

    O vice-presidente da Câmara de Mação diz que se sente humilhado com o recurso a meios espanhóis para o combate ao fogo no concelho. Em entrevista à SIC, António Louro, que é também engenheiro florestal, critica os vários governos e afirma que nada disto teria acontecido se tivessem ouvido os apelos desesperados da autarquia depois do incêndio que, em 2003, destruiu grande parte do concelho.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • André Ventura rejeita acusações de xenofobia
    1:27

    País

    O candidato do PSD à Câmara de Loures diz que tocou num tema que as pessoas queriam discutir. Entrevistado na SIC Notícias, André Ventura insiste que as declarações que fez sobre a comunidade cigana não são xenófobas ou racistas.

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.