sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Governo grego promete abrir cinco centros de registo de refugiados

O Governo grego reafirmou hoje a sua intenção de abrir na segunda-feira os centros de registo de refugiados e migrantes em cinco ilhas do mar Egeu, apesar dos protestos de parte da população contra estas novas instalações.

Alguns refugiados ficam a dormir no Aeroporto Internacional de Atenas, na Grécia.

Alguns refugiados ficam a dormir no Aeroporto Internacional de Atenas, na Grécia.

© Michalis Karagiannis / Reuter

"Aconteça o que acontecer, a partir de 15 de fevereiro vão estar prontos os centros de registo e recolocação", assegurou hoje o ministro da Defesa, Panos Kamenos, após uma reunião com responsáveis municipais de Sindos e Sidirokastro (norte).

Perante as pressões da Comissão Europeia (CE), que se referiu a "graves deficiências" no controlo das fronteiras externas por parte da Grécia, o Governo comprometeu-se a acelerar a abertura destes centros também designados "hot spots" (pontos quentes), que deveriam ter ficado concluídos em novembro.

Na semana passada, o Executivo anunciou que o ministério da Defesa se envolveria na construção dos recintos para acelerar a sua abertura.

Esta decisão motivou protestos de parte dos habitantes da ilha de Kos, que no fim de semana se envolveram numa refrega com a polícia após uma manifestação contra a construção do acampamento.

Devido à sua situação geográfica, muito perto das costas da Turquia, Kos é uma das principais portas de entrada para refugiados e migrantes que se dirigem para a União Europeia (UE).

Em entrevista ao diário Real News, Kamenos -- líder do partido da direita soberanista Gregos Independentes (Anel) que integra a coligação dirigida pelo partido da esquerda radical Syriza -- assegurou que por detrás destes protestos existe o interesse de alguns ilhéus em fazer negócio a partir das necessidades dos refugiados.

Já em declarações à cadeia televisiva privada Skai, o presidente da câmara de Kos, Yorgos Kyritsis (eleito pelos socialistas do Pasok, na oposição), pediu hoje ao Governo grego que cancele os seus planos e retire a polícia de intervenção, enviada para controlar os protestos.

Kyritsis argumentou que um centro de acolhimento poderá funcionar como uma "atração" para os traficantes e provocar o aumento das chegadas, como sucedeu em Lesbos, onde está em funcionamento o único centro de registo e acolhimento.

O responsável de Kos referiu em cartas previamente enviadas ao Governo e à oposição que o seu município, de 17.000 habitantes, poderia disponibilizar entre 4.000 e 7.000 metros quadrados, mas exigiu mais efetivos policiais, meios económicos, ajuda sanitária e um compromisso de que os registados abandonem a ilha num prazo de 24 horas.

O Governo, com estas novas instalações, pretende que se inicie a distinção entre refugiados e migrantes irregulares, que no último caso deverão ser enviados para centros de detenção fechados antes da sua eventual deportação.

Lusa

  • Proteção Civil desmobiliza meios em Setúbal

    País

    A Proteção Civil vai começar a desmobilizar, hoje à tarde, meios de combate ao incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal e que já está em fase de rescaldo, disse à agência Lusa o vereador da Proteção Civil Municipal.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • Portugal condenado por decisão "discriminatória e preconceituosa"
    1:19

    País

    Portugal voltou a ser condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, desta vez por causa de uma decisão discriminatória e preconceituosa. Trata-se do caso da mulher a quem o Supremo Tribunal Administrativo baixou o valor de uma indemnização por negligência médica. Entre os vários argumentos usados, os juízes portugueses consideraram que a sexualidade é menos importante quando se tem 50 anos e dois filhos.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.