sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Cimeira da NATO focada no Daesh e na crise de refugiados

Dois dias de reuniões de ministros da Defesa começam hoje em Bruxelas, na sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), com as "miras" apontadas ao Daesh, preocupados pelas suas vítimas: milhões de refugiados.

© Yannis Behrakis / Reuters

Terça-feira, o secretário-geral da NATO, o norueguês Jens Stoltenberg desejou o acordo dos 28 membros para uma maior presença da Aliança Atlântica a Leste, a fim de lidar com a ameaça de segurança em que consiste a guerra na Síria, entre outras, os milhões de refugiados por ela causados e também a atitude da Rússia, considerada prejudicial a uma solução pacífica do conflito.

"Penso que vamos levar muito a sério o pedido da Turquia e outros aliados para se ver o que a NATO poderá fazer para ajudá-los a suportar e gerir a crise e todos os desafios que enfrentam", afirmou o responsável.

A chanceler alemã Angela Merkel, em visita a Ancara (Turquia), tinha dito que ambos os países tinham pedido à NATO para vigiar a costa turca, impedindo que os exploradores (contrabandistas/traficantes) de refugiados dos conflitos do Médio Oriente continuem a lançar embarcações sobrelotadas em direção à Grécia, com destino à Europa central do norte.

O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, será um dos pares reunidos na capital belga, numa série de encontros que culminará com a primeira reunião da coligação internacional que combate o grupo extremista Estado Islâmico (EI), convocada pelo secretário de Estado da Defesa norte-americano, Ash Carter.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.