sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Eslovénia vai colocar exército a ajudar polícia na fronteira o fluxo de migrantes

O parlamento esloveno autorizou hoje à noite o exército a ajudar a polícia a gerir o fluxo de migrantes que atravessa a fronteira croata para o espaço Schengen, a zona europeia de livre-trânsito abalada pela crise dos refugiados.

© Leonhard Foeger / Reuters

A proposta foi aprovada por 69 votos contra cinco, num parlamento com 90 lugares.

O primeiro-ministro, Miro Cerar, disse aos jornalistas, antes da votação, que era "uma decisão natural, dadas as circunstâncias" perante o fluxo permanente, acrescentando: "Não permite ações militares, mas permite a assistência à polícia nas tarefas de guardar a fronteira".

A proposta autoriza o exército a gerir o fluxo dos migrantes pelas fronteiras durante três meses, incluindo a detenção temporária de grupos de migrantes e entrega posterior à polícia.

O exército também está autorizado a usar a força em caso de emergência para "garantir a segurança dos cidadãos", adiantou Cerar.

No início deste mês, a Eslovénia apertou o controlo do fluxo de migrantes para evitar engarrafamentos no seu território, uma vez que a sua vizinha Áustria, no seu norte, limitou o número diário de entradas.

A Eslovénia, que tem uma fronteira externa do espaço Schengen com a Croácia, ao longo de 670 quilómetros, tornou-se um importante país de trânsito para os migrantes, saídos da Grécia, que pretendem chegar à Alemanha ou Áustria, em meados de outubro, que a Hungria fechou as suas fronteiras.

Desde então, mais de 470 mil migrantes entraram na Eslovénia e, depois de identificados, atravessaram a fronteira para a Áustria.

O ministro do Interior, Vesna Gyorkos Znidar, disse aos deputados que o apoio dos militares era urgente para aliviar a pressão sobre a polícia na fronteira e permitir-lhe "que faça as suas tarefas dentro do país, onde se esperam problemas significativos, quando os migrantes virem negada a entrada" na Áustria.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • Este foi provavelmente o melhor golo da noite de Liga Europa
    1:24
  • Vitória de Guimarães mais longe dos 16 avos de final
    1:48
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • Fogos na Califórnia provocaram 42 mortos e perdas acima de mil milhões de dólares

    Mundo

    O comissário dos seguros da Califórnia afirmou esta quinta-feira que as perdas provocadas pelos incêndios que dizimaram extensas áreas deste Estado norte-americano excedem os mil milhões de dólares (844 milhões de euros). Estes incêndios, que começaram no condado de Sonoma County, já provocaram a morte a 42 pessoas no mês de outubro.

  • Quem está ao lado de Trump? Melania ou uma sósia?

    Mundo

    A especulação surgiu no Twitter: estaria Trump acompanhado de uma sósia de Melania para ocultar a ausência da mulher num evento oficial? A teoria da conspiração ganhou depois força nas redes sociais. Julgue por si mesmo.

    SIC

  • Norte-americano entrega-se após perder aposta com a polícia no Facebook

    Mundo

    Um jovem de 21 anos procurado pela polícia norte-americana entregou-se, esta segunda-feira, depois de perder uma aposta com a polícia, no Facebook. Michael Zaydel prometeu entregar-se se uma publicação sobre o seu desaparecimento chegasse às mil partilhas, na rede social. O jovem norte-americano prometeu ainda levar uma dúzia de donuts, caso os agentes da cidade de Redford conseguissem ganhar a aposta.

    SIC